• Sociedade
  • Sociedade Martins Sarmento: «Underwater», exposição de pintura, de Catarina Machado. Inauguração segunda-feira, às 18h00. Patente até dia 22.
  • Arquivo Municipal Alfredo Pimenta: Exposição de obras do Mestre vimaranense António-Lino. Patente até 23 de Novembro.
  • Assembleia de Guimarães - Exposição de pintura do artista Victor Silva Barros. Inauguração sábado, pelas 17h00. Patente até dia 28.

Vitória procura triunfar em Santa ...

Primeiros resultados do ...

Ricardo Teixeira suspenso por 15 ...

Guimarães Digital

Estado deve 320 mil contos de reembolso de IVA a empresa de Nespereira

É um sonho que pode ir por água abaixo, mas bem mais grave do que isso é a realidade do desemprego para o qual poderão ser atirados mais 35 trabalhadores. É este o drama que atravessa a empresa SCDI, empresa de distribuição de material informático sediada em Nespereira. A notícia faz manchete n'O Comércio de Guimarães. Completamente virada para um mercado que não é tão comum no Vale do Ave, já que aqui reina a indústria têxtil, e que diz respeito à aposta nas novas tecnologias, esta empresa poderá ter que encerrar as suas portas devido a uma dívida do Estado.

Com umas instalações de cerca de mil e 500 metros quadrados, a SCDI tinha todas as condições para se manter como uma empresa de sucesso em Guimarães. Porém, no ano passado a SCDI entrou no mercado da exportação, "exportou para a Comunidade Europeia cerca de 15 milhões de euros em 2004 e, obviamente, isso obrigou a entrar num
processo de devolução de IVA por parte do Estado". Pedro Castro, director comercial da empresa de Nespereira, esclarece que "as exportações eram efectuadas sem IVA, as compras eram feitas no mercado nacional com IVA e o Estado, nessa situação, tem que nos devolver o IVA".

No entanto, com o desenrolar do tempo, e depois de ser pedido o reembolso do IVA ao Estado, "a situação tem sido cada vez mais protelada, diziam-nos que não é este mês, será no próximo, depois chegou-se ao final do ano e disseram-nos que não seria naquela altura por motivos de Orçamento de Estado e passaria então a ser em 2005". O problema é que o valor em causa é demasiado alto, ronda um milhão e 600 mil euros, ou 320 mil contos, valor acumuldao entre Janeiro e Outubro de 2004, "e este adiamento no recebimento fez com que a empresa começasse a ter dificuldades de tesouraria. A Administração da SCDI, nos últimos tempos mora em Lisboa, em Braga, nos departamentos de finanças para tentar desbloquear a situação, mas até agora não se conseguiu nada".

O que este director comercial não compreende é o facto de se falar na necessidade de diversificar as empresas do Vale do Ave e a situação acabar assim. "Apostamos numa empresa de novas tecnologias, o Estado incentiva as exportações e diz que quer equilibrar a nossa balança comercial, no entanto as empresas exportam e depois o
Estado não paga o IVA e estas não têm como aguentar-se".

Neste momento o sentimento da Administração da SCDI é a "frustração e impotência perante uma situação que não depende de nós. Da mesma forma como não podemos perceber que o Estado vá permitir que mais gente vá para o desemprego, e que não serão só os funcionários da SCDI, porque atrás dela poderão ir outras empresas por arrasto".

Marcações: Sociedade

Imprimir Email