Curtas
Exposição de escultura «Sombras», de Dinis Ribeiro, no Toural, Alameda de S. Dâmaso e Av. Alberto Sampaio
«O Verde a Preto e Branco» na Colecção de Fotografia da Muralha, no Guimarãeshopping. Até 3 de Novembro
Trail das 3 Virgens, no próximo dia 24, com partida de Serzedelo
Facebook Twitter Google + YouTube

Os indignados

Artigo de opinião

opiniao
Os indignados

““Contemplou-o na esperança de ver sair as primeiras gotas de urina, mas parecia que quanto mais o mirava, mais este se recusava a mijar.”
Carlos Guimarães. As borboletas voam sozinhas. 2016.


Se há coisa que cresce com a idade – além dos pelos no nariz – é a indignação. No fundo a indignação não é um sentimento é uma glândula. Uma coisa pequenina como uma próstata. A próstata quando atingimos a idade adulta tem apenas quinze gramas e com o tempo duplica de massa – sem que eu perceba porquê - e às vezes mais ... lê-se num site médico que pode chegar aos 120 gramas!
Ao contrário da próstata a indignação não é contudo operável. E é pena pois pode-se morrer das duas: da próstata, mas sobretudo de indignação.

Eu operava a minha indignação às mãos sábias de um bom cirurgião. O médico/escritor do qual faço a citação servir-me-ia perfeitamente. As palavras também não o atrapalham – de todo - apesar do fraco gosto para títulos.
E removia a minha indignação, caso pudesse, pois ela tem tendência a crescer quando conduzo. Pertenço ao grupo daqueles que acham que toda a gente que está na estrada só lá está para me atrapalhar. É que a indignação quando atinge o estado de “indignação crónica” tira toda a piada a quem já a teve, caso a tenha tido, e torna aqueles que sempre foram chatos em seres absolutamente insuportáveis.
O indignado é o terrorista da descontração. É aquele que dá cabo de um jantar de amigos pois fica indignado por o arroz não ser carolino, ou outra coisa qualquer. É aquele que não consegue ver um concerto sem embirrar com a cerveja do festival. É aquele que acha que qualquer herói tem sempre algo que se diga, aquilo é tudo imprensa ... no mínimo é larilas!
E não há indignados com pinta. O último de jeito – e quiçá o único – era o Vasco Pulido Valente. Há quanto tempo não o leio, não leio as suas certeiras indignações, e meu Deus como isso me deixa indignado.

Os pais indignam-se com os seus filhos. Esta é uma indignação costumeira. Como pudestes fazer-me isso Tozé? O precioso “fazer-me” diz tudo. O Tozé não fez simplesmente. Fez aquilo ao pai ou à mãe. E o Tozé que não é bom em retórica e não é suficientemente inteligente para perceber que os seus pais já foram tozés imagina, culpado, que aquelas pessoas que tem à sua frente vieram impecavelmente assépticos do Música no Coração para serem seus pais. Que vergonha Joana.

Muita da indignação é hoje o pasto perfeito das redes sociais. Prados imaculados como os do tal filme: num é relva, no outro indignação.
A indignação é a marca das redes sociais, além dos copos com gin tónico e de pessoas a dizer “finalmente férias”. (Quando recomeçar a trabalhar vou por um post “yess, finalmente a trabalhar”, a ver o que acontece). A bola – à falta de melhor - é o que merece maior indignação. E é ver os benfiquistas, portistas e sportinguistas, arrancarem os cabelos indignados com as arbitragens, como quem diz parece impossível o teu árbitro roubar melhor do que o meu. E agora que por cá as coisas não estão nada bem – além da venerável Bancada Sul – florescem os indignados. A tristeza é para mim um sentimento imóvel e por isso tenho alguma inércia em indignar-me com a minha própria equipa, com o meu clube. No entanto aprecio ver muita gente que teria dificuldade em governar os seus próprios sapatos, achar que não senhor que rua com os incompetentes. E a política tem também o seu espaço nobre no reino da indignação. E é ver os de direita indignadíssimos com as mortes nos incêndios, e os de esquerda, quais beatas, indignados com a indignação dos outros, como quem diz ouça lá essa indignação é minha, ou era. A minha indignação em política teve e tem um nome sobre qualquer outro: José Sócrates. Mas com o tempo começo a perdê-la. E isso é bom para a minha saúde. Bem vistas as coisas o homem montou um esquema à imagem daquilo que melhor se faz lá fora (o que é de saudar pelo engenho do engenheiro) e aparece sempre imaculado a responder a perguntas (previamente combinadas) com aquele ar indignado e olhando fixamente para as câmaras dispara: estou indignado!

A leitura desta crónica deve ser acompanhada pela música Dancing in the Moonlight: um ótimo medicamento para a indignação (não cura, mas alivia!). Recomendo a versão original dos efémeros King Harvest ou, quando muito, a versão reggae dos Aswad, ou mesmo o versão pop dos Toploader apesar do vídeo pastoso. As outras não prestam. É só ir ao YouTube e procurar e pôr a tocar e tornar a ler. Eu sei que é pedir demais mas, pelas alminhas, não fiquem indignados com a proposta. Pronto, está bem, só a música.

Rui Vítor Costa
‹ Do oportunismo pontualVerão no Verão ›

Rádio Santiago em Direto

Cantinho do Puff

Farmácias de Serviço

Guimarães

Farmácia Avenida (Permanente)
Av. D. João IV, 585 r/c

Vizela

Farmácia São Miguel (Disponibilidade)
Rua Dr. Abílio Torres, 442

As nossas publicações

Desenvolvido por 1000 Empresas

Contactos

Edifício Santiago
Rua Dr. José Sampaio n.º 264
4810-275 Guimarães
Tel.: 253 421 700
Email: geral@guimaraesdigital.com