Oficial da PSP de Guimarães diz que agrediu adepto do Benfica por impulso

Começou esta segunda-feira, no Tribunal Judicial de Guimarães, o julgamento do subcomissário da PSP Filipe Silva. O oficial está acusado dos crimes de agressão a dois adeptos do Benfica, em Maio de 2015, nas imediações do Estádio D. Afonso Henriques.

Ao colectivo judicial, Filipe Silva disse que agiu "por impulso" após ter sido "insultado" pelo adepto do Benfica, garantindo que "teve a percepção que tinha sido cuspido".  Filipe Silva admitiu ter dado duas bastonadas em José Magalhães que se encontrava acompanhado de dois filhos menores e do seu pai.

O oficial da PSP justificou a sua atitude com o facto do adepto benfiquista ter resistido à detenção. Admitiu ainda que agrediu o pai, Manuel Magalhães, com socos, quando sentiu que foi agarrado pelas costas. 

O subcomissário Filipe Silva afirmou ainda que o apoio dos adeptos do Vitória ao clube "é digno de um estudo académico", sublinhando que eles são "mais violentos quando a situação descamba para a violência". "É atípica e notória a ligação quase religiosa dos adeptos ao clube, ao estádio e à cidade", referiu. O arguido sublinhou que já fez policiamentos em vários estádios do país, incluindo Lisboa e Porto, mas "nada se assemelha" ao que acontece em Guimarães. "Os adeptos [do Vitória] são muito mais aguerridos e muito mais bairristas do que noutros estádios, o que faz com que sejam mais violentos quando descamba para a violência", referiu. Filipe Silva tentava, desta forma, explicar as dificuldades acrescidas do policiamento no estádio do Vitória Sport Clube.

O arguido responde por dois crimes de ofensa à integridade física qualificada, dois crimes de falsificação de documento e dois crimes de denegação de justiça e prevaricação.  Os factos remontam a 17 de Maio de 2015, logo após o final do jogo entre o Vitória e o Benfica, no exterior do Estádio D. Afonso Henriques.

Marcações: Benfica, filipe silva, agressões

Imprimir Email