Curtas
«Memento - Raimundo Fernandes, um coleccionador de Guimarães», Casa da Memória. Até 4 de Março.
Facebook Twitter Google + YouTube
Oitava edição do GUIdance - Festival Internacional de Dança Contemporânea começa esta quinta-feira

Oitava edição do GUIdance - Festival Internacional de Dança Contemporânea começa esta quinta-feira

Cultura1 de Fevereiro, 2018 09:05

O GUIdance - Festival Internacional de Dança Contemporânea começa esta quinta-feira, transportando até Guimarães a Europa da dança. Nove espectáculos, quatro estreias, masterclasses, sessões nas escolas, conversas e debates compõem o cartaz da sua 8ª edição.

Dois nomes incontornáveis da dança contemporânea, Wayne McGregor e Peeping Tom, abrem e encerram, respetivamente, o festival. Rui Horta – coreógrafo em destaque nesta edição – apresenta duas criações, uma em estreia absoluta e outra em reposição. Vera Mantero, Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão, Patricia Apergi, Euripides Laskaridis, Marlene Monteiro Freitas e Andreas Merk juntam-se ao movimento que agitará toda a cidade, aproximando público e artistas, seja em torno das criações apresentadas ou do universo (infinito) da dança.
 
No espetáculo inaugural da 8ª edição do GUIdance, esta quinta-feira, às 21h30, Wayne McGregor regressa a Guimarães e ao Centro Cultural Vila Flor com mais uma estreia em solo nacional. O visionário coreógrafo, que nunca cessa de explorar limites, decidiu mergulhar fundo na combinação do seu ADN para criar “Autobiography”, espetáculo em que parte de uma busca à mais notável tecnologia existente, o seu corpo, para lançar possibilidades que apontem à construção de futuros. Partindo do seu código genético enquanto arquivo de vivências, McGregor sequenciou o seu próprio genoma humano, convertendo-o em algoritmos que deram origem aos movimentos da peça, na qual reúne um corpo magnífico de bailarinos e volta a causar espanto pela cenografia e pelo espetacular jogo de luzes. Após a apresentação de “Atomos” em 2016, o multipremiado coreógrafo abre o GUIdance com aquela que tem sido considerada a sua obra mais íntima e ousada, fervorosamente aclamada pela imprensa internacional.
 
A partir daqui, o festival arranca para uma viagem tão completa e híbrida quanto desejável, comandada por todas as possibilidades que o jogo da criação nos permite. Assim acontece em “O Limpo e o Sujo”, amanhã, onde os corpos de Vera Mantero, Elizabete Francisca e Francisco Rolo dançam para desabafar, dançam para expelir, dançam para absorver. Expurgam, limpam e expulsam as contaminações do interior dos seus corpos. Há corpos educados e há corpos deseducados. Há, sobretudo, um alegre chafurdar na fusão entre estas duas espécies de corpos. “educados e deseducados” atravessados por informação acumulada procuram um novo lugar.
 
No mesmo sentido, Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão apresentam “Da insaciabilidade no caso ou ao mesmo tempo um milagre” às 18h30, no sábado, partindo de Almada Negreiros e da sua velocidade em despertar cérebros no corpo. Simultaneidade, velocidade, incongruência com o exclusivo, assimilação e sobreposição conduzem ao maximalismo em associação com a eternidade rápida e urgente de Almada e unem com o gesto, mais que com a teoria, de atos dadaístas e surrealistas de hibridismo de linguagens e de espontaneidade. Uma coreografia focada no excesso, na sobreposição de padrões, na associação de elementos díspares, no sem sentido, não discursivo, não demonstrável. Na multíplice experiência do irrepetível. 
 
A primeira semana desta edição fecha com a nova criação de Rui Horta, sábado, às 21h30. “Humanário”, uma obra criada em conjunto com Tiago Simães, responsável pela direção musical do projeto, tem estreia absoluta no GUIdance e integra cerca de 40 intérpretes amadores, onde o traço de união é a capacidade vocal. “Humanário” reflete a importância da coesão da comunidade em diálogo com as idiossincrasias dos intérpretes. Uma obra sobre a diversidade, mas igualmente sobre a construção de um objeto comunitário. Reduzida à voz e ao corpo, a peça cria um traço de união, numa celebração da diferença de géneros, idades e culturas.
 
A segunda semana de espetáculos começa no dia 7 e prolonga-se até ao dia 10 de Fevereiro.

PROGRAMA
 
QUINTA 01 fevereiro
CCVF / Grande Auditório | 21h30
Autobiography [estreia nacional]
Company Wayne McGregor 
 
SEXTA 02 fevereiro
CCVF / pequeno auditório | 21h30
O Limpo e o Sujo
Vera Mantero
 
SÁBADO 03 fevereiro
ciajg / BLACK BOX | 18H30
Da insaciabilidade no caso ou ao mesmo tempo um milagre
Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão
 
SÁBADO 03 fevereiro
CCVF / Grande Auditório | 21h30
Humanário [estreia absoluta]
Rui Horta
 
QUARTA 07 fevereiro
ciajg / BLACK BOX | 21h30
Vespa [reposição]
Rui Horta
 
QUINTA 08 fevereiro
CCVF / Grande Auditório | 21h30
Cementary [estreia nacional]
Aerites Dance Company / Patricia Apergi
 
SEXTA 09 fevereiro
CCVF / pequeno auditório | 21H30
Jaguar
Marlene Monteiro Freitas com a colaboração de Andreas Merk
 
SÁBADO 10 fevereiro
ciajg / BLACK BOX | 18H30
Titans [estreia nacional]
Euripides Laskaridis
 
SÁBADO 10 fevereiro
CCVF / Grande Auditório | 21h30
Vader
Peeping Tom

Vídeos recentesver tudo

Rádio Santiago em Direto

Cantinho do Puff

Farmácias de Serviço

Guimarães

Farmácia Horus (Permanente)
Largo do Toural, 26

Vizela

Farmácia Alves (Disponibilidade)
Rua Dr. Abílio Torres, 1078

As nossas publicações

Desenvolvido por 1000 Empresas

Contactos

Edifício Santiago
Rua Dr. José Sampaio n.º 264
4810-275 Guimarães
Tel.: 253 421 700
Email: geral@guimaraesdigital.com