Causas não naturais terão originado incêndio que deflagrou Brito e Vermil

O incêndio que deflagrou nas freguesias de Brito e Vermil terá tido origem em causas não naturais. É esta a convicção do Comandante dos Bombeiros de Guimarães.
O incêndio consumiu cerca de cinco hectares de área florestal. As chamas começaram em Brito, pouco antes das 20h00 e estenderam-se ao Monte de S. Miguel o Anjo, na freguesia de Vermil.
O combate às chamas terminou cerca das 4h00, após uma operação de ataque ao fogo que envolveu três corporações.
Os Bombeiros Voluntários de Guimarães foram alertados cerca das 20h00. Durante oito horas estiveram envolvidos na operação de combate mais de 30 bombeiros, contando com o apoio das corporações de Vizela e Famalicão.
O Comandante dos Bombeiros de Guimarães, Bento Marques, diz que o vento foi o primeiro obstáculo encontrado no combate às chamas. As dificuldades aumentaram com a falta de acessos.

Bento Marques estranha a ocorrência do incêndio de ontem que nunca colocau em causa "pessoas e património para além da floresta", sublinhando que o local tem registado, recorrentemente, outros sinistros.

O fogo consumiu cinco hectares de área florestal e as causas estão a ser investigadas pelas autoridades.


Marcações: Brito, incêndio, Vermil, Bento Marques

Imprimir Email