Apresentado o e-tijolo que incorpora beatas



Numa acção conjunta do Laboratório da Paisagem, Centro de Valorização de Resíduos e o Instituto de Soldadura e Qualidade foi apresentado o e-tijolo. Trata-se de um produto feito a partir de pontas de cigarro. Uma proposta de Diogo Pinheiro, um engenheiro electrotécnico, que venceu um concurso de ideias lançado pelo Centro de Valorização de Resíduos .

"Com a certeza de que «nada se perde, tudo se transforma» e que o lixo é o futuro, procurei encontrar um projecto que desse resposta a um problema da sociedade, aproveitando algo da rua", afirmou. Foi neste contexto que propôs o aproveitamento das beatas de cigarros.

Seleccionada a ideia e tendo por objectivo aproveitar as beatas recolhidas nos «eco pontas», o Laboratório da Paisagem desafiou o Centro de Valorização de Resíduos para a transformar a ideia em negócio. André Mota, do CVR, diz que incorporar beatas num tijolo, foi um desafio interessante.
"Achamos que a incorporação de beatas em produtos cerâmicos era viável e, nessa medida, começamos por fazer esferas de argila que foi o elemento estruturante", explicou.

Concebido o produto, falta saber se tem mercado numa altura em que ainda se desconhece o preço. Numa primeira fase pode ser aplicado em paredes não estruturantes ou como elemento decorativo. Certo é que um tijolo com 5% do peso tem 350 beatas e beatas para fabricar tijolos, não faltam já que em Portugal estima-se que se produzam cerca de 16 milhões de beatas por dia.

Na sessão de apresentação, o Presidente do Laboratório da Paisagem, revelou estar já decidido que o e-tijolo vai ser aplicado no projecto do Observatório das Aves que vai ser implementado na montanha da Penha.

Marcações: Laboratório da Paisagem, e-tijolo, CVR, Centro de Valorização de Resíduos

Imprimir Email