Câmara de Guimarães classifica de «insuficiente» trabalho da Resinorte

A Câmara Municipal de Guimarães não está satisfeita com a qualidade do trabalho da Resinorte. Aquela empresa recolhe os resíduos dos ecopontos no âmbito de um contrato de concessão promovido pela AMAVE.
Na reunião do executivo Municipal desta quinta-feira, o PSD questionou a maioria socialista sobre o assunto. Bruno Fernandes fala de uma "situação recorrente".

"Já percebemos há muito tempo que a recolha que é feita dos resíduos dos ecopontos não está a ser feita no calendário que deve ser feito ou seja, não é feita com a periodicidade que se exige numa altura em que se incentiva os vimaranenses a fazerem a separação de resíduos", afirmou.
Ao não ser feita a recolha periódica necessária, esta "responsabilidade" da Câmara atribuída à Resinorte "dá um sinal negativo e contrário àquilo que é o caminho que estamos a pretender trilhar no sentido de termos um Concelho mais verde", acrescentou.

O Presidente da Câmara confirma que a questão é "recorrente", considerando que o que está em causa é a falta de qualidade do serviço prestado.

"O que está em causa é o patamar de exigência do serviço que é prestado no território concelhio", afirmou.
Neste contexto, Domingos Bragança disse que a Câmara "faz saber o seu desagrado" pelo deficiente serviço da Resinorte e que agora é tornado público.
"Não aceitamos como normal que os ecopontos estejam cheios e os resíduos não sejam recolhidos nas rotinas e excepcionalidades que o serviço exige.

Para o Presidente da Câmara não há dúvidas de que existe uma "insuficiência" da prestação do serviço em causa sendo que o que a Câmara quer e exige é um "serviço muito bom, de excelência". Sendo assim, Domingos Bragança sublinhou que a Câmara está "sempre a ver em termos contratuais o que pode exigir à Resinorte", com a certeza de que há "vários pontos negros" no serviço prestado. Ainda assim, sublinha não haver razões de incumprimento contratual para denunciar a concessão atribuída no âmbito da Associação de Municípios do Vale do Ave.
"Se o insuficiente que se verifica chegasse para denunciar o contrato era o caminho que seguiríamos, agora indemnizar a Resinorte por incumprimento do contrato ou por vontade política, isso não".

Segundo Domingos Bragança, o que se torna necessário é "encontrar as insuficiências da Resinorte, fazê-la cumprir o contrato de acordo com o que consideramos ser um serviço de excelência e se não o fizer, temos de expor essas fragilidades esperando que essas situações sejam resolvidas".
De acordo com informação prestada durante a reunião pela Vereadora do Serviços Urbanos e Ambiente, a Resinorte teve funcionários que testaram positivo à Covid-19, situação que motivou atrasos na recolha dos resíduos dos ecopontos do Concelho. Ainda segundo Sofia Ferreira, a Resinorte informou que a recolha já retomou a normalidade.


Marcações: Domingos Bragança, Executivo vimaranense, Bruno Fernandes, ecopontos, Resinorte

Imprimir Email