Filipe Neves grafitou o edifício dos B.V.T.

 

Escolheu ser o Asur no mundo dos graffitis. Por nenhum motivo especial. Apenas porque quase todos os grafiteiros usam um pseudónimo. 

Chama-se Filipe Neves é natural do Algarve, vive em Albufeira e tem 25 anos. Fez apenas o nono ano de escolaridade e, apesar de não se orgulhar disso, partilhou que foi a falta de interesse pelos estudos que o levou a ser um pintor reconhecido. 

Como quase todos os grafiteiros, também Asur, já foi um fora da lei. A paixão pela arte levou-o a pintar murais sem o consentimento devido para o efeito. 

Para contextualizar onde tudo isto começa, temos de regressar no tempo cerca de duas décadas. Durante as aulas, e entre amigos que também não estavam com muito interesse em aprender, iam fazendo desenhos. Depois, nos intervalos, partilhavam uns com os outros as suas obras-primas. Entretanto este gosto passou para um patamar mais elevado, ao ponto de pintarem as paredes da escola.

Com o tempo tudo ia ficando mais sério. E em 2006 decidiu começar a viver dos graffitis. Já lá vão 14 anos!

O seu talento não passou indiferente e já viajou pelos quatro cantos do mundo. Portugal de lés a lés, pela europa foi até Amesterdão, duas vezes a Milão, Frankfurt, Kosovo e Berlim, e na Ásia até Osaka, Japão, Bangkok, Tailândia e Bali na Indonésia. Todos estes locais têm a marca Asur nas ruas por onde milhões de pessoas passam diariamente. 

E também Guimarães foi brindada com um graffiti deste talentoso mestre autodidata.

Veja onde está a sua pintura na BIGGERmagazine de Setembro!

 

em Bigger

Marcações: bombeiros, Filipe Neves, Asur, graffiti

Imprimir