BIGGERmagazine criou a rubrica «Tudo Vai Ficar Bem»

 

BIGGERmagazine decidiu criar a rubrica «Tudo Vai Ficar Bem» com o objectivo de partilhar consigo a forma como aqueles que preencheram as páginas da revista, ao longo destes 11 anos, têm passado este período de isolamento social, devido ao surto epidémico COVID-19 que já chegou a 184 países, assumindo o estatuto de pandemia.

Alguns dos protagonistas das 133 edições que saíram para as bancas, não hesitaram em aceitar o desafio lançado por nós.

Foram distinguidos ou destacaram-se nas mais variadas áreas: Cultura, Desporto, Política, Empresarial...

O momento que estamos a viver é um grande desafio para todos. Sabemos que não basta ultrapassar este período de quarentena porque depois seguir-se-ão outros problemas igualmente difíceis, mas, temos a certeza, que estaremos igualmente unidos, para reerguer o País.

Explicada esta rubrica, seguem-se algumas mensagens inspiradoras, de ânimo e sobretudo de esperança.

#fiquememcasa

 

André Coelho Lima - Deputado da Assembleia da República pelo PSD

Estou em quarentena desde 13 de março. Os dias têm sido de trabalho intenso, porque grande parte das tarefas que me competem fazer e desenvolver podem ser feitas remotamente. Tenho estado (muito) mais com a minha família, temos todos aproveitado esta proximidade forçada para estreitar ainda mais os laços. Este momento permite ver com ainda maior clareza a opção correta que tomamos de ter uma família com maior dimensão, torna, sem dúvida, o isolamento menos monótono.

Como deputado na Assembleia da República sinto enormemente o peso da responsabilidade de ter que tomar algumas decisões importantes para lidar com esta pandemia, como foi exemplo a declaração de Estado de Emergência, uma situação de absoluta excepção constitucional que achamos nunca passar dos compêndios de Direito Constitucional. Ter consciência que estamos a apreciar e votar uma supressão de direitos, liberdades e garantias, uma declaração de absoluta exceção, não é uma coisa qualquer.
Para além disso, o dever de estar presente, independentemente das consequências para a minha saúde ou dos meus, é um imperativo. Numa altura em que se pede às empresas para continuarem a trabalhar, temos que ser os primeiros a dar o exemplo. Fazer parte de um órgão de soberania deve priorizar deveres e responsabilidades, só depois pensar em nós ou nas nossas circunstâncias particulares.
Relativamente ao que o Governo ou Câmara têm feito, a resposta é a mesma. É evidente que não tem sido tudo bem feito, como é evidente que quem quer que estivesse hoje em funções governativas, locais ou nacionais, não seria naturalmente isento de falhas ou faltas. Mas não é altura para fazer esse balanço. Este é o tempo de todos ajudarmos a debelar este vírus e a vencer esta batalha. É altura de dizermos presente, não para estar de dedo em riste a apontar o que possa falhar (e pode sempre muita coisa falhar numa altura de absoluta exceção como esta). Vou socorrer-me de uma frase do Dr. Rui Rio que espelha o que penso sobre esta matéria, e demonstra a postura que o PSD tem tido, tanto a nível nacional como a nível local: “Devemos todos ser oposição ao vírus e não uns aos outros”

É nos momentos difíceis que se vê a essência das pessoas. É nas horas de aperto que sobressai o caráter dos homens. A mensagem é simples e só pode ser de que neste momentos nos unamos, mostremos o que valemos como Povo, saibamos ser capazes de contrariar um dos maiores desafios que se colocou à Humanidade, que nos calhou no nosso tempo de vida lidar. O fundamental é ter esperança. Conscientes dos riscos, preparados para que poderemos perder muitos dos nossos, mas firmes, ainda assim, de que venceremos a final.

Vai ficar tudo bem!

 


Marcações: André Coelho Lima, PSD , rubrica, revista, deputado

Imprimir Email