Rubrica «Bons pais, Bons Filhos»: Falar (com os filhos) é fácil

 

A forma como falamos e transmitimos as mensagens e as entendemos, depende essencialmente de como vemos as coisas, e o mundo de uma forma geral. Entre pais e filhos, muitas vezes, o encontro destas diferentes perceções parece colidir, o que origina discórdia, discussões ou até mesmo, a ausência de diálogo.
Quando tentamos falar com o nosso filho, tentamos partilhar algo, trocar ideias, emoções e experiências. Mas isto nem sempre é possível! Conversar com os filhos pode tornar-se num verdadeiro desafio!

Além disto, no dia-a-dia de uma família, vários são os obstáculos na comunicação, exemplo disso são: a falta de atenção, a quantidade de informação partilhada, o ruído externo e a correta gestão do tempo. O ideal é comunicar de maneira assertiva e recorrer à escuta ativa.

A escuta ativa é um elemento essencial na comunicação, não sendo mais do que ouvir o seu filho de forma atenta, e demonstrar interesse e compreensão pelo que ele está a dizer.
Dizer ao seu filho aquilo que acha que ele está a sentir, repetir o que ele lhe disse com as suas próprias palavras, escutá-lo com atenção, e olhá-lo nos olhos são formas de usar a escuta ativa.
Vai perceber que esta forma de comunicação vai trazer muitas vantagens na vossa relação, tais como:
- Ambos vão pensar de forma mais positiva sobre as coisas;
- Vão sentir-se mais apoiados mutuamente;
- Os vossos mal-entendidos vão diminuir;
- O seu filho vai vê-lo com mais respeito;
- O seu filho vai sentir-se importante por estar atento ao que ele diz;
- O seu filho perceberá que o escuta atentamente.

Criar momentos para conversarem também é uma boa estratégia!
Possibilita que a troca de ideias, angústias, dúvidas e emoções possa ser feita de forma mais eficaz, segura e respeitadora. Contudo, é fundamental que todos os elementos da família se sintam encorajados e com confiança para que a comunicação flua normalmente.
Fique com algumas soluções para colocar em prática esta estratégia:
- Crie momentos específicos que promovam o diálogo (por exemplo: ida à praia, um passeio pelo parque);
- Dedique, todos os dias, alguns minutos para conversar com o seu filho;
- Escute-o de forma curiosa e revele interesse por aquilo que ele partilha.

Por fim, uma outra estratégia para comunicar de forma mais tranquila e eficaz com o seu filho é utilizar as Mensagens Eu. Esta é uma forma de comunicar sem criar uma discussão, sendo muito útil para quando está triste ou chateado com algum comportamento do seu filho.
As Mensagens Eu expressam aquilo que está a pensar, aquilo que está a sentir e os seus motivos.

Como se devem então, usar as mensagens Eu?
É fácil…
- Inicie a mensagem na primeira pessoa, ou seja, utilizando o “Eu”;
- Diga aquilo que está a sentir relativamente ao comportamento do seu filho;
- Indique qual o comportamento do seu filho que o está a incomodar;
- Dê-lhe uma alternativa a esse comportamento (algo que gostaria que acontecesse);
- Por fim, pode ainda comunicar qual a consequência futura, caso o comportamento se mantenha.

Fique com um exemplo de uma Mensagem Eu: 
“Eu fico preocupada quando não me respondes no momento em que chamo por ti. Quero que isso pare e que comeces a responder-me sempre que te chamo. Caso isso não aconteça, ficas sem ver a tua série preferida durante 1 dia.”.

Para terminar, não se esqueça: para que a comunicação com o seu filho seja eficaz é necessário ter cuidado ao falar e ter muita atenção ao escutar!
Falar com o seu filho pode ser uma tarefa fácil!

Elisabete Costa, Educadora Social do CAFAP do Centro Juvenil de S. José

 


Marcações: bons pais bons filhos

Imprimir Email