AUTO: Confira a diferença entre as lâmpadas do farol e quando é hora de trocar

A iluminação dos automóveis é extremamente importante para a segurança rodoviária, permitindo ver, ser visto e prevenir acidentes. Para isso, existem algumas regras no Código da Estrada que devem ser seguidas.

De acordo com o Código da Estrada, pode haver contravenção se o veículo circular sem os dispositivos de iluminação legalmente exigidos, se utilizar dispositivos não previstos em lei ou se as cores dos faróis forem utilizadas incorretamente: vermelho para frente e/ou branco na parte traseira.

Basicamente, as lâmpadas dos faróis dos carros são divididas em halógenas, xenônio e LED. Cada um deles tem diferentes intensidades de brilho, cores e também custos variados. Eles também têm especificações para vários modelos de automóveis e muitos deles não estão preparados para receber uma determinada potência de iluminação. Por isso, o consumidor precisa verificar se o carro pode ter aquele conjunto de luzes em que está pensando.

Veja a diferença entre os faróis de halogênio, xenônio e LED:

Faróis halógenos

Os faróis halógenos ainda são a maioria nas estradas portuguesas. Houve várias atualizações nas últimas décadas, até que soluções mais eficientes surgiram. A verdade é que as lâmpadas halógenas fornecem cerca de 55 watts de potência, a maior parte da qual é desperdiçada na forma de calor e não de luz. Assim, o desempenho é inferior a qualquer um dos novos sistemas, tendo um alcance de 60 metros, em comparação com os 90 metros que os faróis de xenônio alcançam ou os 300 que os faróis de LED alcançam. A busca por soluções mais eficientes e a proibição da União Europeia da venda de lâmpadas halógenas, embora excluísse o mercado automotivo da norma, previam seu declínio, inevitável com a chegada das novas tecnologias de xenônio e LED.

 

                             Imagem captada de autopecasonline24.pt

 

Lâmpadas xenônio

As lâmpadas de xenônio são facilmente reconhecidas por sua luz azul branca. Eles atuam por meio de descargas gasosas que, ao invés do filamento de uma lâmpada halógena, provocam o aparecimento de um arco elétrico. A grande vantagem que a tecnologia Xenon introduziu foi o fato de ela emitir quase três vezes mais luz, sendo muito mais brilhante que uma lâmpada halógena e apresentando consumo significativamente menor, ainda tem, em média, o dobro da longevidade.
Com essa mesma tecnologia - Xenon - chegam ao mercado carros equipados com faróis com tecnologia Bi-xenon, que, a partir de uma única lâmpada, oferecem ainda mais luz para faróis médios e altos, e o brilho é controlado automaticamente, segundo seja necessário. Mas como nem tudo é rosa, a tecnologia Xenon está sempre associada a um custo maior, o que acaba tornando o custo final do veículo mais caro. Além disso, para substituir essa lâmpada, você sempre terá que pedir ajuda a um especialista.

LED

Os faróis com tecnologia LED, facilmente identificáveis ​​pela luz emitida muito branca, substituíram os faróis de xénon. Embora muito mais cara do que uma lâmpada tradicional, a vida útil das lâmpadas LED é muito mais longa, emitindo uma luz semelhante à do sol, com baixo consumo de energia.
A tecnologia LED também tem a vantagem de possuir um sistema adaptativo, ajustando automaticamente o feixe de luz para se adequar à estrada, alternando entre luz média e alta.
Ao contrário de outras tecnologias, esta não se baseia em uma única lâmpada, mas em um conjunto de pequenos LEDs que as marcas de automóveis têm usado para melhorar o design da ótica dos novos modelos, especialmente no design das luzes diurnas. Em muitos casos, mesmo quando os faróis do carro são de xenônio,
as luzes diurnas são de LED, formando um novo conceito de assinatura de luz, diferente a cada nova versão.

Você se preocupa com os faróis?

É muito importante prestar atenção ao estado da iluminação. Você deve sempre substituir as lâmpadas do farol, especialmente quando estiverem fracas ou acenderem de forma irregular. Existem lâmpadas que brilham um pouco mais do que o normal, se você preferir ver melhor à noite.

Não se deixe enganar pelas lâmpadas do seu carro, pois cada modelo possui seu próprio tipo de iluminação.
Muitos motoristas acreditam que as luzes dos faróis duram para sempre. O fato de muitos veículos rodarem durante anos sem ter que trocá-los pode reforçar o discurso de que não há necessidade de se preocupar com a duração dos faróis do seu carro.

No entanto, o que muitos não percebem é que as lâmpadas, assim como outras peças e o próprio veículo, se desgastam com o tempo, perdendo capacidade e ligando-se cada vez menos até que se apaguem completamente. O cálculo da vida útil de um farol depende de vários fatores. Isso significa que não há fórmula correta para o cálculo e nenhum tempo definido. A duração varia de 450 a 1000 horas e pode durar ainda mais do que isso.

Alguns dos fatores que influenciam a vida útil dos faróis dos carros são a temperatura e o clima, pois quanto maior a temperatura à qual a lâmpada é exposta, menor é sua durabilidade. Além disso, há horas de uso diário, pois os veículos que viajam mais tempo com os faróis acesos têm reduzido a vida útil dos faróis. O tipo de lâmpada se é
halógena, xenônio ou LED também influencia na durabilidade, além das condições do asfalto que quanto mais vibração, menor durabilidade. Entre outras coisas, influencia a durabilidade, mas a verdade é que é difícil responder com precisão quanto tempo durarão os faróis do carro.

A substituição de peças só deve ser feita com luvas. Você também deve observar precauções de segurança adicionais ao substituir a peça. Na troca, desligue as luzes do veículo para evitar curto-circuitos e use somente lâmpadas sem danos ou arranhões. A substituição deve começar depois que o farol esfriar completamente.
Considerando que os faróis médios de xenônio estão sob alta tensão, não é seguro trocá-los por conta própria. Este procedimento é realizado na estação de serviço, que é o local recomendado para quem não deseja fazer a troca por contra própria.


Imprimir Email