Raul Brandão e a Casa do Alto em foco na abertura da segunda edição do Húmus - Festival Literário de Guimarães

A segunda edição do Húmus - Festival Literário de Guimarães arrancou, ontem, ao início da noite com a apresentação do livro “Raul Brandão e a Casa do Alto”, da autoria de Secundino Cunha e fotografia de Manuel Roque.

No dia em que comemorou o 26º aniversário, a Biblioteca Municipal Raul Brandão abriu mais uma edição do certame criado para homenagear as letras e o seu patrono.

"Celebrar Raul Brandão é motivar para a leitura" referiu a Vereadora da Cultura, Adelina Paula Pinto, ao explicar que nesta edição o festival procura oferecer uma "perspectiva de leitura no feminino", procurando reflectir o papel da mulher - Maria Angelina - na obra do escritor.

Na apresentação do livro “Raul Brandão e a Casa do Alto”, o escritor e jornalista Secundino Cunha confessou que "conhecer as casas dos escritores é conhecer um pouco dos escritores”.

A obra agora editada pela Opera Omnia resultou da colaboração de Manuel Roque, proprietário da Casa do Alto, em Nespereira, e também responsável pela recuperação do imóvel que, nas suas palavras, "é uma casa de família, mas também é um lugar que está ligado à literatura portuguesa”.

O Coronel António José Pereira da Costa encerrou a sessão com uma palaestra sobre o tema “O Cadete Raul Brandão”, em que revelou pormenores da vida o escritor que foi também militar.

Nesta quinta-feira, o Húmus continua com a iniciativa uma “Entrevista de Vida” a Maria Antónia Palla, com moderação de Tito Couto. Foi a primeira mulher a ocupar o lugar de vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas e a primeira que assumiu a Presidência da Caixa de Previdência dos Jornalistas, cargo que desempenhou durante doze anos, até ao encerramento daquela instituição. A sessão tem início às 18h00, no auditório da Biblioteca Raul Brandão.

em Cultura

Marcações: Raul Brandão, Biblioteca Raul Brandão

Imprimir