VÍDEO: Couros, Caldeiroa, Costeado e Conde de Margaride - Bairro C quer tornar visíveis através da arte pública percursos desconhecidos de Guimarães

Ligar a zona de Couros, a Rua da Caldeiroa, a Casa do Costeado e a Avenida Conde de Margaride, reinterpretando o território através da arte pública, é a convocatória feita pelo Bairro C. O novo projecto da Câmara de Guimarães foi apresentado esta segunda-feira, na praça coberta do IDEGUI.

O Bairro C quer unir diferentes espaços culturais, criando um percurso 'habitado' por criações artísticas, desenvolvidas em estreita relação com o património construído. "É um espaço que temos e que precisamos de re-descobrir. É um pedaço substantivo da Cidade que tem características que a maioria das pessoas não conhece e queremos fazê-lo num cruzamento entre a arquitectura e a cultura", frisou o Vereador do Departamento de Desenvolvimento do Território, Fernando Seara de Sá, alertando que o espaço pública da Zona de Couros já está requalificado, onde está instalado o campus de Couros da Universidade do Minho, e será complementado com a abertura ao público do túnel existente sob a Avenida Afonso Henriques, a requalificação da Rua da Caldeiroa e da Rua D. João I. "Vamos construir percursos pedonais e cicláveis acessíveis, permitindo que a circulação pedonal seja feita por outros circuitos", adiantou, sustentando que existem "ligações fáceis nesta área extensa da Cidade que poderão ser feitas sem o automóvel".

Classificando o projecto de "inovador e ousado", a Vereadora da Cultura salientou que o Bairro C constitui um desafio para a descoberta da cidade invisível, a partir da zona de Couros, "espaço ostracizado durante muito tempo por estar associado a uma indústria que cheirava mal e que está a levantar-se com uma série de equipamentos que lhe dão uma identidade própria". "Nesta ousadia da arte pública, estamos a acrescentar cidade à Cidade, convidando as pessoas a conhecer esta zona, no confronto com a memória de um tempo que está nas pedras dos edifícios, mas também na arte pública que surgirá no território", frisou Adelina Paula Pinto.

Os contornos do projecto que será desenvolvido em três anos foram apresentados por Paulo Silva. O responsável indicou que o projecto Bairro C que pretende reinterpretar discursivamente uma estratégia de desenvolvimento da Cidade, assente na Cultura, Criatividade, Conhecimento e Ciência, "usando a arte pública, reintroduzindo novos caminhos, num aprofundamento da relação do espaço com a comunidade".Ele assenta geograficamente na zona de Couros, passando pela Caldeiroa e subindo até à Conde Margaride, à Casa da Memória e ao CIAJG.

Com o objectivo de assumir a Arte Urbana como expressão artística de espaço público, alargando as oportunidades para artistas de diferentes áreas, o projecto Bairro C em Guimarães, mais do que um evento ou conjunto de eventos, pretende funcionar com um dinamizador de um "laboratório social permanente, com ideias capazes de transformar o espaço e a Cidade", na experimentação de um modelo de desenvolvimento e de construção do futuro preconizado para Guimarães. A dotação financeira para este primeiro ano é de 90 mil euros.

O Bairro C tem como parceiros o Curtir Ciência, o IDEGUI, a Fraterna, a Universidade das Nações Unidas, Conservatório de Guimarães, Oficina - CIAJG/Casa da Memória, IPCA - Escola Hotel, Escola de Arquitectura da Uminho, Escola de Teatro da Uminho, ProChild Colab e Pousada da Juventude.

Intervenções de Arte Urbana

11 de Julho - Intervenção artística em graffiti - a partir de uma caixa de electricidade, o graffiti Oker (Mário Fonseca) inicia o percurso artístico na Rua da Ramada;

11 de Julho - Intervenção artística em graffiti - Muro do Instituto de Design de Guimarães, na Rua da Ramada, pintado pelos artistas Contra e Draw - 18 metros do muro mereceram a intervenção artística sobre madeira;

11 e 12 de Julho - Intervenção artística (graffiti) - Workshop Jardim das Vespas

25 de Julho . Intervenção artística (artes plásticas) - iluminação arquitectural sobre o rio

Setembro - Intervenção artística na Rua da Liberdade

Outubro/Novembro - Intervenção artística na Avenida Conde de Margaride

Conferências abertas

10 de Julho (18h00) - Visão de Cidade "C(Sê) Guimarães - Uma visão de futuro", na praça coberta do Instituto de Design de Guimarães, sendo oradores António Cunha e Ivo Oliveira;

12 de julho (18h00) - Importância da Arte Pública - "Curar a Cidade - Riscos e Oportunidades para Palcos e Galerias", Edgar Pêra e João Carvalho

Conferência Internacional sobre as artes de passeio em Guimarães 

22 a 24 de Julho (21h00) - Conferência Internacional sobre as artes de passeio em Guimarães

Bienal de Arte Têxtil Contemporânea «Lugares de Memória» - de 5 de setembro a 25 de outubro

em Cultura

Marcações: CIAJG, Zona de Couros , Casa da Memória de Guimarães, Fraterna, IDEGUI, Curtir Ciência, Contêxtil 2020, arte pública

Imprimir