Gualterianas sem diversões e com circulação automóvel condicionada no centro de Guimarães

A edição deste ano das Gualterianas será adaptada às condições epidemiológicas da pandemia da Covid-19, assumindo as manifestações culturais programadas para o primeiro fim-de-semana de Agosto um cariz meramente simbólico.
Em conferência de imprensa realizada ontem ao ar livre, no átrio fronteiro à igreja de São Francisco, o Presidente da Câmara de Guimarães ressalvou que a edição das Gualterianas terá um Plano de Contingência, ao justificar a organização com a ideia de dar continuidade a um evento centenário. "Adequaremos sempre, dia após dia, à situação que tivermos de evolução da pandemia. Primeiro está a defesa da saúde pública e teremos sempre isso em conta, no diálogo constante com as autoridades de saúde e serviços de protecção civil", insistiu Domingos Bragança, sublinhando que será realçado "o valor simbólico das Festas".
O Autarca destacou o reforço da iluminação ornamental em diferentes espaços da Cidade. O Castelo de Guimarães, a Muralha, a antiga Torre de Alfândega que ostenta a inscrição «Aqui nasceu Portugal» e as igrejas de São Francisco e Santos Passos serão iluminados para os festejos em honra de São Gualter que se realizam no primeiro fim-de-semana de Agosto.
O Presidente da Câmara insistiu na necessidade de privilegiar a defesa da saúde pública, apelando "à compreensão dos vimaranenses para as limitações e contenção. As Gualterianas terão o seu plano de contingência que terá de ser permanentemente aperfeiçoado".
No sentido de facilitar o distanciamento social e favorecer a pedonalização da área central da Cidade, Domingos Bragança anunciou a proibição do trânsito automóvel durante o período das Festas, nomeadamente no Centro Histórico, no Largo do Toural (norte), Rua de Santo António e na Alameda de São Dâmaso (norte). "Será a primeira experiência de pedonalizacão", observou o Autarca, considerando que assim a Cidade poderá ser "mais intensamente vivida, permitindo os circuitos pedonais, fazendo com que cada recanto surja diante do olhar e no tempo que desejarmos para apreciar a sua beleza e encanto". "Vamos trabalhar com outras associações para atingir esse objectivo, porque quando todos estão envolvidos e comprometidos, tudo corre melhor", acrescentou, considerando o Parque de Estacionamento de Camões estratégico para a aplicação desta medida. "Não queremos que as pessoas fiquem confinadas aos passeios e com as vias libertas da circulação automóvel será permitida uma maior dispersão", continuou, ao salvaguardar que a evolução da situação sanitária poderá obrigar a alterações.
"As Festas serão feitas com muita disciplina e regras de protecção, de acordo com a situação do momento", insistiu.
A Autarquia já decidiu que não emitirá licenças para a instalação de diversões, quanto aos abarracamentos ligados à restauração e bebidas a decisão ainda não está tomada, devendo ser anunciada após a reunião da Sub-Comissão de Protecção Civil. Este ano, não haverá sessão de fogo de artifício.

Duas exposições
no espaço público

Com um "orçamento inferior aos 180 mil euros do ano passado", a edição das Gualterianas vai contar com duas exposições no espaço público. No Largo do Toural, a Muralha - Associação de Defesa do Património vai revisitar as Gualterianas com os cartazes e as fotografias da festa realizada em anos anteriores. No jardim da Alameda de São Dâmaso, a Associação da Marcha Gualteriana vai apresentar um conjunto de trabalhos alusivos aos monumentos da Cidade e elaborar um carro alegórico alusivo ao fado de Coimbra e ao centenário de Amália Rodrigues que irá percorrer as ruas da Cidade.
"É uma ruptura completa com a tradição por questões de saúde", alertou a Vereadora da Cultura, Adelina Paula Pinto, justificando que o programa formal característico dos festejos "foi anulado", de maneira a garantir o "distanciamento social" e as restrições impostas pela Direcção-Geral da Saúde (DGS).
"Não vamos deixar de celebrar São Gualter e a Cidade, mas será uma oportunidade para alguma reflexão, olhando para o que foi feito no passado, valorizando o trabalho dos obreiros com a possibilidade de apreciar com mais proximidade a qualidade, o pormenor do talento destes impulsionadores da Marcha", frisou, desafiando os vimaranenses e os visitantes a aproveitarem esses dias para usufruírem da Cidade, do espaço público, do comércio, em que serão integradas as propostas culturais da convocatória feita aos criadores vimaranenses - individuais ou colectivos - nas diferentes áreas artísticas, mediante a selecção de um máximo de cinco projectos com um valor global não superior a 25 mil euros.
"Contamos com o envolvimento dos artistas, com projectos que nos vão ajudar nesse fim-de-semana a marcar as Festas, com o cumprimento das regras da DGS", afirmou, ao enaltecer a parceria estabelecida com a Venerável Ordem Terceira de São Francisco, onde se encontra a imagem de São Gualter, "para que possa ser venerado pelos fiéis".
Na praça fronteira ao conjunto edificado daquela instituição será montado um palco para apresentação de projectos culturais. "É uma programação fora do habitual", salientou, frisando que os vimaranenses poderão visitar as exposições em tempos diferentes porque estarão disponíveis no espaço público "para evitar ajuntamentos e com planos de segurança".

Incerteza no licenciamento
de abarracamentos

As Festas "terão uma versão simbólica neste ano de 2020, podendo o programa sofrer alterações em função da evolução da situação epidemiológica". A Autarquia já decidiu que não emitirá licenças para a instalação de diversões, quanto aos abarracamentos ligados à restauração e bebidas a decisão ainda não está tomada, devendo ser anunciada após a reunião da Sub-Comissão de Protecção Civil. "São lugares de ajuntamento e é uma questão que terá de ser vista ao pormenor. Há muito interesse dos vários operadores dessa área, a minha incerteza é se deveremos autorizar e licenciar a instalação", salientou, ao reconhecer que "as farturas e o pão com chouriço fazem parte das Festas". "Para o licenciamento, terão de se pronunciar os serviços de Proteção Civil", advertiu, garantindo que brevemente será anunciada a decisão.


Marcações: Guimarães, Festas Gualterianas

Imprimir Email