Vitória responde em dois processos que podem resultar na interdição do Estádio D. Afonso Henriques



O Vitória corre o risco de ser sancionado a realizar jogos à porta fechada na sequência de processos disciplinares que estão em curso na Comissão de Instrutores da Liga.

Em causa, de acordo com um relatório divulgado hoje pelo Conselho de Disciplina, está o mau comportamento dos adeptos, em processos semelhantes a outros em curso que envolvem o Benfica (já sancionado noutro caso), Vitória de Setúbal e Feirense.

Os dois processos disciplinares em que está envolvido o nome do Vitória encontram-se ainda sob investigação e têm de ser analisados por duas instâncias diferentes, a Comissão de Instrutores e o Conselho de Disciplina.

Os processos remontam à temporada 2017/2018. O primeiro diz respeito ao jogo com o Benfica, realizado em Novembro de 2017. Neste caso, os adeptos do Vitória são acusados de actos racistas. 

De acordo com o artigo 113 do Regulamento Disciplinar da época em causa, a moldura penal vai de um a três jogos à porta fechada. “Os clubes que promovam, consintam ou tolerem a exibição de faixas, o cântico de slogans racistas ou, em geral, com quaisquer comportamentos que atentem contra a dignidade humana em função da raça, língua, religião ou origem étnica serão punidos com a sanção de realização de jogos à porta fechada”, pode ler-se na Regulamento.

O segundo caso remonta ao jogo com o FC Porto, no final da temporada, a 12 de Maio deste ano. O Vitória está a ser julgado num processo que diz respeito a infração de agressões sem reflexos no jogo, imputada ao clube. No pior cenário, o Vitória pode ser punido com uma pena que vai de um a três jogos à porta fechada.

Marcações: Vitória Sport Clube, Estádio D. Afonso Henriques

Imprimir Email