João Sousa apostado em "manter-me no topo da elite mundial" do ténis



O vimaranense João Sousa é o único jogador do mundo a integrar o top-40 dos rankings ATP de singulares (39.º) e de pares (32.º), mas, em entrevista à agência Lusa, revela pretender dar prioridade à competição individual esta época.

Depois de ter apostado nos pares, em 2018, com o "objetivo de melhorar alguns aspetos" do seu jogo, o vimaranense confessa que vai abrandar nas competições desta vertente, apesar de ter atingido as meias-finais no Open da Austrália este ano, ao lado do argentino Leonardo Mayer, e ocupar o terceiro lugar na Corrida para Londres, a hierarquia que apura as oito melhores duplas do mundo para as ATP Finals. "No ano passado tínhamos o objetivo de chegar ao top-50, mas este ano não temos o objetivo de subir muito no ranking, nem de jogar tantos torneios de pares. Acho que ajuda na variante de singulares, que é aquela em que estou focado, e tem corrido bem, porque tenho melhorado em vários aspetos. Mas, esta época, não estou a pensar apostar tanto nessa vertente", anunciou.

Além de ter conquistado o melhor resultado de sempre de um português num 'major' em seniores, ao disputar as meias-finais de pares, João Sousa despediu-se do Open da Austrália na terceira ronda de singulares, após a derrota frente ao japonês Kei Nishikori, e admite que não imaginava melhor início de época. "Comecei com uma boa vitória em Auckland e, na segunda ronda, não joguei tão bem, mas dei sinais de estar a jogar a um bom nível. Na Austrália, fiz dois grandíssimos encontros, e no terceiro o Kei foi melhor que eu. Ainda assim, joguei a um bom nível, que era o objetivo principal. Não sou de pensar muito em resultados ou estipular objetivos concretos, tento pensar encontro a encontro. E as coisas correram bastante bem em singulares e em pares foi ainda melhor", lembrou.

Depois de uma "temporada positiva" em 2018, os objetivos para esta época passam por "continuar a evoluir" e manter-se "no topo da elite mundial". "Quero melhorar como jogador, porque tanto eu como o meu treinador [Frederico Marques] achamos que podemos melhorar, há margem de progressão e de poder jogar melhor ténis. É nessa base que trabalhamos dia a dia e não com vista em resultados" garantiu, confidenciando querer ainda "melhorar o serviço", algo que tem vindo a ser trabalhado, "e não é uma pancada fácil de melhorar, e com a experiência de circuito e sendo mais velho", tornar-se "mais frio em algumas situações" de jogo.


em Desporto

Marcações: João Sousa, ténis, ATP

Imprimir