Eleições do Vitória realizam-se a 13 ou 20 de Julho



Isidro Lobo vai promover uma reunião, esta quarta-feira, com os restantes membros da Mesa da Assembleia Geral para procurar definir a data para a realização do próximo acto eleitoral.

O presidente da Assembleia Geral esteve ausente do país nos últimos dois dias, devido a questões de ordem profissional, mas no regresso a Portugal pretende acelerar o processo desencadeado com a demissão de Júlio Mendes e dos restantes elementos da Direcção. Tudo aponta para que a data das próximas eleições possa ser conhecida amanhã. De acordo com as informações recolhidas pelo Grupo Santiago, o acto eleitoral para escolher o próximo presidente terá lugar a 13 ou 20 de Julho.

Nesta altura, os potenciais candidatos continuam sem confirmar publicamente a disponibilidade para avançar com as respectivas listas. De acordo com o que foi possível apurar, Daniel Rodrigues está efectivamente a ponderar a constituição de uma lista. O presidente da Assembleia Geral da SAD, que fez parte da Mesa da Assembleia Geral nos primeiros mandatos de Júlio Mendes, tem promovido contactos no sentido de perceber que apoios pode reunir. Candidato nas eleições de Março de 2018, Júlio Vieira de Castro está igualmente a reflectir sobre o caminho a seguir.

Depois da demissão de Júlio Mendes, surgiu outro nome nesta equação. André Coelho Lima tem sido apontado como potencial candidato, apesar de não ter abordado publicamente essa possibilidade. Contactado pelo Grupo Santiago, André Coelho Lima entendeu não ser o momento para prestar declarações sobre o assunto. O associado n.º 2.472 quis, no entanto, transmitir a ideia de que todas as informações que têm vindo a público sobre a sua eventual disponibilidade para assumir uma candidatura à presidência do Vitória nada têm a ver com algo que tenha dito sobre o tema mais comentado nos últimos dias. 

Apoiante de Júlio Mendes nas últimas eleições, André Coelho Lima fez uma publicação na rede social Facebook em que além de fazer um apelo à união dos vitorianos, afirma estar preocupado com "as consequências deste clima de perseguição e calúnia permanentes que se instalou" no Vitória. "A única coisa que se espera é que o princípio da irresponsabilidade não seja de tal forma irresponsável que aqueles que o motivaram não assobiem para o ar fazendo de conta que não é nada com eles", escreveu na mesma publicação, acrescentando: "O mínimo que se exige a quem montou o ambiente para levar a este resultado é que, agora, seja responsável. Assuma as suas responsabilidades e tome em mãos aquilo por que lutou fazendo a diferença que prometeu fazer. Com ambição. Com amor à camisola. Com classificações clara e consistentemente acima das até aqui obtidas. É o que se espera, porque é aquilo que se exigiu."

Marcações: eleições, Vitória Sport Clube

Imprimir Email