José Boto: "É impossível ir para o Vitória"

José Boto desmentiu esta quinta-feira a possibilidade de assumir o cargo de director-desportivo do Vitória caso a Lista A, de António Miguel Cardoso, saia vencedora das eleições de 20 de Julho, conforme o candidato ontem anunciou numa sessão de esclarecimento que decorreu em Urgeses.

Em declarações ao jornal A Bola, aquele que foi responsável máximo do departamento de scouting do Benfica durante 11 anos, e que actualmente desempenha as mesmas funções no Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, começou por confirmar que António Miguel Cardoso “”falou comigo e fê-lo de uma forma bastante correcta e construtiva”, mas logo acrescentou que “não é verdade que tenha aceitado o convite. Não há impossíveis no futebol, mas neste caso considero impossível ir”.

José Boto foi mais longe: “Há uma cláusula que (mesmo supondo que aceitaria, e não é o caso) é elevada.” Essa cláusula de rescisão é de 500 mil euros, sendo que o dirigente português tem um salário anual ainda mais elevado.

“Para mim não seria desprestígio nenhum ir para o Vitória, bem pelo contrário. É clube com um grande potencial, uma massa adepta fantástica e que, tomando o rumo certo, poderá crescer ainda mais. Gostei da ideia dele, mas é uma situação impossível. Estamos a falar de projectos diferentes e salários completamente distintos. Transmiti tudo isto ao candidato”, completou José Boto.

Recorde-se que ontem, em Urgeses, António Miguel Cardoso mostrou-se convencido que a contratação estaria acertada e seria validada pelo accionista maioritário, Mário Ferreira.

em Desporto

Imprimir