Júlio Mendes e ex-vice-presidentes do Vitória absolvidos do crime de abuso de confiança fiscal



Júlio Mendes e os ex-vice-presidentes do Vitória Armando Marques, Hugo Freitas, Francisco Princípe e Luís Cirilo foram esta quarta-feira absolvidos pelo Tribunal de Guimarães do crime de abuso de confiança fiscal de que estavam acusados pela Procuradoria-Geral Distrital do Porto. Em causa estava o não pagamento de 219.259 euros de IRS à Autoridade Tributária, quando o clube liquidou os salários de Dezembro de 2011 aos jogadores da sua equipa de futebol.

Júlio Mendes sempre disse que não fazia sentido responsabilizar a sua Direcção, porque esta tinha "cumprido religiosamente os seus compromissos em relação a todos os credores", sublinhando que o caso era ainda referente à presidência de Emílio Macedo da Silva. "Depois de termos pedido à repartição de Finanças que nos dissesse tudo o que havia para pagar, vêm depois dizer que há um valor de Dezembro que deveria ter sido pago, mas ninguém nos disse nada. Se nos tivessem dito que era preciso pagar mais, teríamos pago", referiu Júlio Mendes a esse propósito.

Entretanto, o caso avançou para julgamento mas esta quarta-feira os ex-dirigentes do Vitória foram absolvidos, tendo o Ministério Público também concluído não haver razões para os responsabilizar. O Tribunal de Guimarães entendeu que os arguidos não terão cometido qualquer crime de negligência e que, na altura, tudo fizeram para salvar o clube da situação em que este se encontrava.

Marcações: Júlio Mendes, Francisco Príncipe, Vitória Sport Clube, Armando Marques, Luís Cirilo, Hugo Freitas

Imprimir Email