Ola John: "Todos temos um pouco de medo, mas confiamos no plano do Vitória"



Ola John confessou, esta quinta-feira, alguma ansiedade pelo regresso aos treinos na Academia, que acontecerá na próxima segunda-feira. O extremo holandês do Vitória revelou ter muitas saudades de treinar no relvado, o que acontecerá quase dois meses depois da competição ter sido suspensa.

Quase dois meses após a paragem, como se sente?: “Sinto-me bem, agora. Este tempo é muito estranho para toda a gente. Estou em Portugal agora, a família está na Holanda, estive com eles primeiras quatro semanas, tenho família também em África. 26 anos na Holanda é a minha primeira casa."

Vê-se agora uma luz ao fundo do túnel. Está ansioso?: “Sim, claro. Já tinha saudades de tudo, dos companheiros, do clube. Estávamos todos os dias juntos, a treinar, brincar e jogar. Com esta quarentena não tivemos contacto com essas coisas. Vamos voltar a treinar, individualmente, mas é melhor do que nada. A saúde é muito importante neste momento, mas também tenho muitas saudades de treinar, de estar com a bola. Felizmente vamos poder fazer isso.”

Há alguma ansiedade pelo primeiro treino, na segunda-feira?: “Sim, um bocadinho. É muito estranho este tempo para todos nós, não só para os jogadores. Foi muito tempo sem treinar, sem jogar, agora podemos finalmente voltar a jogar e a fazer o que mais gostamos. Vai ser muito diferente.”

Esta fase vai levar os jogadores a terem medo no regresso?: “Acho que todos nós, não só os jogadores, todas as pessoas têm um pouco de medo. Mas temos muita confiança no plano que temos agora. Confiamos no plano do clube para fazer o melhor para nós.”

Vai ser difícil recuperar a forma física?: “Nós treinamos todos juntos, por vídeo-conferência, é diferente mas tinha de ser. Não havia outra forma. Treinar em casa não era igual do que treinar em campo, mas faz parte da vida dos jogadores.”

Quanto tempo para votar a estar bem em termos de equipa?: “Agora vamos treinar de forma individual, é muito diferente. Eu posso ser mais rápido a recuperar a forma do que o Pêpê, por exemplo. Temos de estar prontos para quando voltarem os treinos de conjunto e os jogos. Temos de esperar, todos no mundo, até que haja o toque para voltarmos a fazer o que mais gostamos. Cada jogador tem de treinar para si, para ficar bem agora.”

Aos 27 anos, pensa que deveria ser a fase da afirmação pessoal?: “Sim. Esta época não correu muito bem para mim por causa da lesão. A vida do jogador é assim. Esta paragem não foi boa, porque vinha de uma paragem longa devido a lesão.”

O que se pode esperar até ao final do campeonato?: “Falta-me fazer mais jogos. Quero ajudar o Vitória a ganhar mais jogos. Queremos o 5.º lugar e lutar por isso. Não tenho de estar focado em mim, mas na equipa, ajudar o clube a chegar à Liga Europa. Quero ajudar, sem lesões. Tenho de marcar mais golos, mas ajudar é atacar bem, fazer assistências, defender bem. Ganhar é o mais importante, primeiro quero ajudar a equipa, depois penso em mim, em marcar mais golos."

O que lhe falta para chegar a níveis mais elevados?: “Há muitas coisas para explicar. As lesões foram muito difíceis de superar. Saí muito jovem da Holanda quando fui para o Benfica. Quando saí do Benfica não fiz quase pré-épocas normais, chegava quase sempre no fim das pré-épocas. Depois surgiam as lesões tinha de esperar. Os profissionais precisam de boas pré-épocas para ficarem prontos a ajudar. Nos últimos anos não tenho feito isso. Nunca tive essa continuidade. Isso foi difícil de gerir fisicamente, mas também mentalmente. Tenho muita confiança, mas também preciso da confiança do treinador para me ajudar. Em alguns clubes não tive isso. Todos os jogadores são diferentes. Há jogadores que precisam que os treinadores falem com eles, outros não precisam disso.”

Sente a confiança do Ivo Vieira?:
“Sim, muito. É muito bom treinador. Estive lesionado, mas quando voltei aos treinos ele falou sempre comigo, passou-me confiança.”

Marcações: Vitória Sport Clube, Ola John

Imprimir Email