Guimarães elegeu sete delegados para a Federação Portuguesa de Ciclismo



O Minho reforçou a representação na Assembleia-Geral da Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) continuando a ser a região do País com maior número de delegados no órgão federativo. Foram eleitos 16 minhotos em representação dos clubes do Minho, treinadores, ciclistas e árbitros. Sete dos 16 delegados são de Guimarães.

“Superamos as melhores expectativas, consolidando e reforçando o Minho como a maior representação a nível nacional na Assembleia-Geral da FPC”, afirmou José Luís Ribeiro, Presidente da Associação de Ciclismo do Minho (ACM) destacando “a demonstração não apenas da grande vitalidade do ciclismo na região do Minho mas também da predisposição dos agentes desportivos minhotos para contribuírem ativamente para o desenvolvimento da modalidade”.

Ao eleger 16 delegados, o Minho garantiu uma representação de 21,05% no órgão máximo da FPC, seguindo-se as associações do Porto e Lisboa (11,84%), Algarve (7,89%), Beira Litoral (9,21%), Santarém (7,89%), Setúbal (5,26%), Viseu (5,26%), Açores e Madeira (3,95%), Beira Interior, Vila Real, Bragança e Cicloturismo do Norte (2,63%) e Cicloturismo do Centro (1,32%).

Com exceção da eleição dos delegados representantes dos clubes do Minho, em que apenas votaram os inscritos na ACM, a eleição dos representantes dos restantes agentes ocorreu a nível nacional, assinalando-se o fato dos candidatados minhotos terem arrecadado votos em todas as Mesas Eleitorais que funcionaram em Guimarães, Porto, Sangalhos, Lisboa, Loulé, Madeira e Açores.

Na eleição dos representantes dos clubes da região do Minho foram eleitos José Luís Ribeiro, Francisco Marinho, Joaquim Mendes e Jorge Gonçalves. Armando Sousa, apesar de se encontrar na condição de suplente - assim como Paulo Gonçalves Soares - assumirá as funções de Delegado por força da inerência de José Luís Ribeiro, enquanto Presidente da Direção da ACM.

Os ciclistas minhotos José Mendes e João Matias foram eleitos representantes dos ciclistas profissionais, enquanto Paulo Abreu (Stromp) e Marta Branco dos ciclistas de BTT amadores, categoria em que Ana Catarina Leite ficou na condição de suplente. Maria Carolina Costa foi eleita delegada dos ciclistas de Estrada e Pista e Maria José Miranda e António Orlando Freitas dos ciclistas de outras vertentes (Ciclismo para Todos, entre outras), categoria em que Luís Miguel Ribeiro ficou como suplente.

Para representante dos treinadores foram eleitos da região do Minho Alberto Costa e António Matias (Treinadores Nível 2) e Hélder Braga (Treinador Nível 1), tendo Xavier Rodrigues ficado como suplente.

Ana Isabel Freitas foi eleita representante dos comissários regionais e Augusto Oliveira ficou como suplente dos comissários nacionais e internacionais.

Dos 16 delegados eleitos, 7 são de Guimarães: José Luís Ribeiro, Joaquim Mendes, Armando Sousa, Paulo Abreu (Stromp), Marta Branco, José Mendes e Maria José Miranda.

De referir que é através da composição da Assembleia-Geral que, por exemplo, serão eleitos, em novembro, os órgãos federativos para o próximo ciclo olímpico.

Desde que a composição da Assembleia-Geral das Federações Desportivas passou a ocorrer através de delegados dos clubes e dos diversos agentes desportivos, a Associação de Ciclismo do Minho foi sempre a que deteve o maior número de eleitos, aumentando sucessivamente a sua representação (13,5% em 2010, 15,7% em 2012, 18,30% em 2016 e 21,05 em 2020).


em Desporto

Marcações: Associação de Ciclismo do Minho, Federação Portuguesa de Ciclismo

Imprimir