Acção de Júlio Mendes e Armando Marques contra empresa de Mário Ferreira deu entrada no Tribunal de Guimarães



A acção intentada pelo ex-presidente do Vitória, Júlio Mendes, e pelo ex-vice-presidente do clube, Armando Marques, contra a empresa Mário Andrade Ferreira – Sociedade de Investimentos, SGPS, S.A., deu entrada ontem no Juízo Central Cível de Guimarães – Juiz 4.

Na qualidade de ex-administradores da SAD, reclamam ao antigo accionista maioritário da SAD, a título individual, a verba de 2,7 milhões de euros por incumprimento de um contrato estabelecido entre as partes.

Tal como o Grupo Santiago avançou, o processo conta-se resumidamente assim: após ter realizado o investimento de 2,5 milhões na SAD vitoriana, Mário Ferreira acordou com Júlio Mendes e Armando Marques, que lhes atribuiria um prémio de gestão. Um compromisso que assumiu quando o seu investimento já tinha sido imensamente valorizado. Esse prémio, segundo os demandantes, seria pago quando Mário Ferreira vendesse as suas acções ou as recusasse vender em determinada altura. Ora é exactamente isso que Júlio Mendes e Armando Marques invocam: Mário Ferreira recusou vender as acções em diversas ocasiões, como chegou a ser público.

Os ex-dirigentes vitorianos entendem, por isso, que houve quebra de compromisso e avançaram com uma queixa, que resultou no processo nº 4227/20.0T8BRG, que agora irá correr termos no Juízo Central Cível de Guimarães – Juiz 4.

Sublinhe-se que neste processo não está em momento algum em causa o Vitória, uma vez que se trata de um acordo estabelecido pessoalmente entre o accionista e os dirigentes máximos do clube na altura.

Marcações: Júlio Mendes, Vitória Sport Clube, Armando Marques

Imprimir Email