Câmara de Guimarães aposta na proximidade para incentivar investidores

 

Criar um ambiente propício aos negócios no território concelhio e garantir o apoio de proximidade aos empresários nas diferentes etapas do desenvolvimento dos seus projectos são as prioridades assumidas pelo Município de Guimarães para atrair novos investimentos para a região. Essa aposta foi assumida no Open Day Investimento, realizado esta terça-feira, por iniciativa da Divisão de Desenvolvimento Económico.

Durante a manhã, a comitiva liderada por Domingos Bragança visitou três empreendimentos empresariais, elucidativos da capacidade dos seus promotores de aproveitarem as oportunidades de contexto para darem o salto, gerarem emprego e acrescentarem valor aos seus negócios.  

O périplo começou em Moreira de Cónegos, com a visita às instalações da Polopiqué - Comércio e Indústria de Confecções com unidades separadas pelo rio Vizela, em áreas dos concelhos de Santo Tirso e Vizela, passando pelo Parque Industrial de Gandarela, com a deslocação ao edifício ainda em construção da DFAL - Dias, Fernandes & Andrade Lopes, Lda., ficando concluído com uma espécie de pré-inauguração do Centro de Logística do Bolama Supermercados, na vila de Ronfe.

No final desta ronda de contactos, o Presidente da Câmara fez questão de sublinhar o interesse do Município em "apoiar todos os empresários para que eles tenham as condições de contexto para investirem, sentindo segurança e conforto nas opções de investimento". "É este contexto de proximidade entre a Câmara Municipal, os nossos empresários e a nossa Universidade que queremos garantir e para isso criamos a Divisão de Desenvolvimento Económico, para que tenham esse elo de ligação", referiu. "Isso faz a diferença. Não criamos apenas um programa de incentivos fiscais, também privilegiamos o apoio constante, de proximidade, para resolver os problemas de licenciamento na Câmara, para dar a conhecer a oportunidade de investir em Guimarães, informando sobre quais os espaços disponíveis, os edifícios devolutos, os novos espaços", assinalou Domingos Bragança, ao realçar que o acompanhamento processual é feito "de princípio até ao fim, envolvendo todas as entidades que possam ter ligação ao investimento em causa, como o Ministério da Economia ou a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal".

"Os investidores sabem que, aqui, encontram todas as condições para o sucesso no seu investimento", prosseguiu, destacando a capacidade dos empresários de fazerem "deste território um espaço gerador de talentos", em que o sector têxtil foi capaz de aproveitar o legado da herança industrial para se posicionar perante as exigências ditadas pela nova revolução tecnológica.

O Edil garantiu que "há um forte interesse no investimento em Guimarães", estando o território enriquecido pela "presença de trabalhadores especializados, um bom sistema de ensino, com unidades de investigação ligadas à Universidade e à transferência de conhecimentos". "É bom não apenas para Guimarães, mas também para o país, para o Quadrilátero Urbano, para a CIM do Ave os investimentos industriais se façam nesta região”, afirmou Domingos Bragança, referindo que na próxima semana será inaugurado o novo edifício da Farfecth, no Avepark .

No final da visita, o Autarca manifestou o desejo de que a "Escola de Engenharia Têxtil seja uma escola de referência europeia e mundial", lembrando ainda o empenho de ver criada em Guimarães uma Academia Industrial. "Poderá só haver uma no Norte do País, terá em conta o empreendedorismo para todos os sectores económicos, o investimento terá de ser avultado e vamos convencer os diferentes ministérios, o Governo e o Sr. Primeiro-Ministro a investir, porque, em Guimarães vale a pena investir!", acrescentou, concluindo: "temos empresários, temos trabalhadores e um território com uma forte marca industrial que se afirma como Guimarães Marca", concluiu, no final da iniciativa em que participaram representações da AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal), ACIG (Associação Comercial e Industrial de Guimarães), CIM Ave, IEFP e Quadrilátero.

10 milhões de euros na nova unidade de fiação

"A Polopiqué começou há 22 anos com meia dúzia de funcionários, foi crescendo. Em 2011, fruto de que se passava em Portugal e do facto da Têxtil Vizela que estaria em fase de encerramento, decidimos avançar com o investimento. Tentei sempre lutar contra a ideia de que a indústria têxtil não tinha futuro! Tínhamos cento e tal colaboradores em 2011 e agora temos 1050".

Luís Guimarães, Polopiqué – Comércio e Indústria de Confecções S.A.

Serviços diferenciados para sector têxtil



"Estamos vocacionados para prestar serviços para o sector têxtil. Temos uma diversidade de oferta: sublimação, impressão digital directa, todo o tipo de estampados, excepto ácidos que é o próximo passo, plissados, termocolagens... A política é inovar e criar necessidade do produto. O que criamos dura um ano, depois deixa de ser negócio e temos de partir para outra. Quem conseguir levar a vida desta forma, vai ter sucesso".

Paulo Cunha, Dfal - Dias, Fernandes & Andrade Lopes, Lda.

Bolama Supermercados com Centro de Logística em Ronfe

"É um sonho concretizado e no passado não pensava que iria precisar de um armazém com estas dimensões. Era uma antiga fábrica e preservamos a fachada desse imóvel e implantamos esta nave para ser o nosso centro logístico. A partir daqui, vamos fazer as compras, receber mercadorias e proceder à sua distribuição para as nossas lojas. Ainda vamos fazer a inauguração e depois o Bolama de S. João de Ponte irá ser todo renovado. Temos agora capacidade para mais 50 por cento de facturação".

António Silva, administrador do Bolama Supermercados




em Economia

Marcações: Câmara Municipal de Guimarães, Investimento, Polopiqué – Comércio e Indústria de Confecções S.A., Fernandes & Andrade Lopes, Lda., Bolama Supermercados

Imprimir