Universidade do Minho vai abrir licenciaturas em Artes Visuais e Protecção Civil e Gestão do Território em Guimarães

A Universidade do Minho vai abrir em setembro as licenciaturas em Artes Visuais e em Protecção Civil e Gestão do Território em Guimarães. A oferta da instituição inclui 57 cursos de licenciatura e mestrado integrado, contando para o próximo ano letivo com 2915 vagas, mais 136 do que em 2017. Os estudantes interessados podem candidatar-se, através do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior, a partir da próxima quarta-feira, dia 18, em www.dges.gov.pt.

Em comunicado, a Uminho refere que "a licenciatura em Artes Visuais tem 25 vagas, a duração de três anos e vai funcionar no campus de Couros, em Guimarães. O plano de estudos inovador inclui as várias práticas da pintura, escultura e multimédia, com uma aposta no ensino do desenho, das tecnologias artísticas, da teoria da arte e de experiências multidisciplinares de arte contemporânea. Pretende-se que o estudante possa definir as suas escolhas num crescente processo de autonomia, em diferentes espaços oficinais, laboratoriais e de exposição e dinamização cultural, em intercâmbio com a comunidade. O curso, coordenado por Natacha Moutinho, beneficia de vinte anos de experiência da Escola de Arquitectura e tem como provas de ingresso Desenho ou Geometria Descritiva ou História da Cultura e das Artes".

Também a licenciatura em Proteção Civil e Gestão do Território é a primeira do género no ensino superior público em Portugal Continental. "Nasce dos contributos das ciências sociais, da engenharia, das ciências, do direito, da educação, da enfermagem e da psicologia. O curso de três anos aposta num reforço da componente prática relacionada com as tecnologias de informação geográfica e em projetos de proteção civil com incidência territorial, num apelo ao espírito crítico e de análise, motores da capacidade de planeamento e gestão em situações de crise ou emergência.​ Os graduados poderão exercer na Administração Pública, nas Forças Armadas, nas forças de segurança, nos serviços de saúde, entre outros serviços e empresas", indica a Academia. As provas de ingresso são Biologia e Geologia e Matemática ou Geografia e Matemática Aplicada às Ciências Sociais ou Economia e Matemática Aplicada às Ciências Sociais. O curso tem 30 vagas, vai funcionar no campus de Azurém, em Guimarães, e é coordenado por António Bento Gonçalves, professor do Instituto de Ciências Sociais desta instituição.

A UMinho orienta a sua oferta, tendo em consideração a procura, a empregabilidade e as áreas de formação. A Universidade considera a aposta diversificada, flexível e adequada aos diferentes perfis de formação, etários e profissionais dos alunos que querem prosseguir estudos, especializar-se ou redefinir competências. Os cursos da UMinho com maior número de vagas são Engenharia Informática (170), Engenharia e Gestão de Sistemas de Informação (140), Direito (125), Medicina (120), Engenharia Eletrónica Industrial e Computadores (87), Enfermagem (85), Economia (83) e Engenharia Mecânica (82). Os sete cursos com horário pós-laboral são Contabilidade, Marketing, Música, Negócios Internacionais, Direito, Educação e Engenharia de Gestão e Sistemas de Informação, englobando 233 vagas. Os três últimos são também oferecidos em regime normal. O concurso nacional de acesso decorre até ao dia 7 de agosto, sendo os resultados desta primeira fase divulgados a 10 de setembro. Os candidatos com dificuldade nos procedimentos podem recorrer ao Gabinete de Apoio ao Acesso, no campus de Gualtar, através dos telefones 253604590 e Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Foto: cedida pela Uminho

em Educação

Imprimir