Quatro projectos vão revolucionar mobilidade na zona de Silvares

A zona de Silvares prepara-se para assistir ao longo deste ano ao desenvolvimento de quatro projectos estruturantes para a rede viária concelhia: a construção da variante entre a rotunda do Pinheiro Manso e Mouril, a nova ligação de Moutil ao Reboto, o desnivelamento da rotunda de acesso à auto-estrada e a construção da ligação entre a Rua do Corgo e a Rua da Gandra, no âmbito do contrato de urbanização da Plataforma de Terciarização.

O Presidente da Junta de Freguesia garante que está a acompanhar as diferentes etapas das intervenções previstas, considerando que a sua execução vai permitir consolidar "o alargamento da cidade até ao rio Ave". "Há obras que já estão a decorrer e outras que vão começar brevemente", frisou Ricardo Castro, ao mostrar-se confiante no perspectivado desenvolvimento dos projectos até finais de 2021. "São obras que vão contribuir para a melhoria da mobilidade em todo o concelho de Guimarães e mudarão o rosto da freguesia de Silvares", acrescentou.

A obra de construção da tão aguardada variante de ligação da rotunda do Pinheiro Manso até à rotunda de Mouril, da responsabilidade de privados, já está a decorrer, com movimentação de terras na área paralela ao acesso à portagem da auto-estrada e nas traseiras da igreja paroquial. "É um processo que estamos a acompanhar com atenção", afirmou o Autarca, reconhecendo que "são muitas obras que vão decorrer quase em simultâneo". Por isso, comentou: "o resultado final será muito bom para quem habita em Silvares".

O Presidente da Junta de Silvares não ignorou as preocupações suscitadas pelo impacto das intervenções no território da freguesia. "Os projectos são muito próximos, envolvem a mobilidade de quem vive em Silvares e de quem diariamente desloca-se a Guimarães", observou, ao dar conta que manifestou junto do Município algumas apreensões. "Já reunimos e vamos continuar a acompanhar a evolução das intervenções com várias reuniões de trabalho durante as obras", advertiu. "Tenho manifestado junto dos promotores que a Junta de Freguesia tem de ser conhecedora de tudo o que se passa para poder solucionar qualquer problema e criar as melhores condições para os cidadãos no decurso das intervenções", justificou Ricardo Castro.

Apesar de alguns dos projectos com desenvolvimento previsto para 2020 já terem sido anunciados há alguns anos, o Autarca de Silvares mostrou-se esperançado na execução definitiva. "Nos últimos anos, temos estado na expectativa... Mas, felizmente, as obras vão avançar e Silvares vai ter uma nova centralidade, a prometida centralidade será uma realidade, abrangendo os diferentes equipamentos de serviço da comunidade", assinalou, garantindo que a Autarquia a que preside já manifestou a importância de ver cumprida a concretização da requalificação da Rua da Gandra, "permitindo melhores condições de segurança aos peões que lá passam diariamente", bem como a construção de uma ligação ao Parque de Ardão, pretensão que foi expressa ao Município. "Para que os empreendimentos existentes e aqueles que vão surgir tenham uma nova ligação que permitam às pessoas que vão ocupar os postos de trabalho ali existentes e os que vão ser criados terem acesso à zona comercial e de lazer, porque o Parque de Ardão é uma referência na oferta de espaços de lazer do concelho de Guimarães". E prosseguiu, observando que, com este processo de expansão, "Silvares será englobada pela Cidade". "A freguesia ficará dotada com as características do território urbano, sendo um novo pólo do alargamento da cidade de Guimarães até ao rio Ave.

O desenvolvimento das actividades ligadas à indústria, comércio e serviços, de acordo com Ricardo Castro, deve ser acompanhado também pelo aparecimento de núcleos habitacionais. "Os investimentos programados fizeram com que os terrenos ficassem mais apetecíveis, com um aumento do preço por metro quadrado, o que tornou difícil a aquisição de parcelas destinadas à habitação. Já manifestamos a nossa preocupação junto da Câmara Municipal, propusemos uma revisão do Plano Director Municipal em algumas zonas da freguesia que permita a construção de habitação a custos controlados para que os nossos jovens casais se possam fixar na freguesia, porque neste momento é um problema conseguir habitação em Silvares", lamentou, apontando o exemplo do número de alunos que frequentam a Escola EB J/I existente na freguesia. "A escola sofreu no último ano uma requalificação, estão previstos novos investimentos para o estabelecimento de ensino e, felizmente, no último ano conseguimos inverter o ciclo de diminuição do número de alunos que ocorria de ano para ano. Temos mais crianças na nossa escola e com o previsto crescimento das zonas comerciais, há a expectativa de que a escola seja mais concorrida constituindo um apoio para quem vier para aqui trabalhar", previu.

"Achamos que, com este desenvolvimento, Silvares poderá atrair mais habitantes se existirem espaços para a construção de mais habitação, tornando-se um centro para a fixação das pessoas", insistiu, assegurando que a Autarquia está atenta às preocupações de quem reside na freguesia e verá o seu quotidiano afectado pelas intervenções que vão criar alternativas de mobilidade naquela zona do Concelho.

em Freguesias

Marcações: mobilidade, Silvares

Imprimir