Câmara de Guimarães vai pagar muro em Gondar e intervir no talude de Moreira de Cónegos

 

A factura da construção de um muro de contenção, no Lugar do Monte, em Gondar, vai ser paga pela Autarquia vimaranense. A revelação foi feita pelo Presidente da Câmara de Guimarães, durante a reunião do Executivo, realizada esta quinta-feira, em resposta a uma questão colocada pelo Vereador do PSD, André Coelho Lima.

No período antes da ordem do dia, o representante social-democrata pediu esclarecimentos sobre o motivo que levou o Município a fazer um ajuste directo no valor de 181 mil euros no mês de Março para uma derrocada que "ocorreu antes do último Natal" e sobre a "natureza daquela propriedade" numa zona industrial.

André Coelho Lima comparou a intervenção anunciada com a situação de insegurança dos moradores do edifício Mimosa, em Moreira de Cónegos, "onde mora muita gente", e com o muro do campo de jogos do Pevidém, "em houve uma derrocada e o recinto pertence ao Município".

Em resposta, o Presidente da Câmara explicou que entre os pareceres jurídicos solicitados sobre o processo apontam para que seja a Autarquia a pagar a obra, justificando que "na altura de loteamento, na parte do corte vertical, foi construído um caminho considerado de domínio público". "Nesse caminho foram enterrado o canal das águas pluviais e uma dessas condutas rebentou e quando se deu conta o muro já tinha ruído", afirmou Domingos Bragança.

Referindo-se a Moreira de Cónegos, o Edil adiantou que por indicação do último relatório dos Serviços de Protecção Civil irá ser elaborado um projecto "para intervir em obra" na reparação do muro "para devolver segurança, com a correcção que for necessária e depois será decidido quem vai pagar".

Quanto ao parque de jogos do Pevidém, o Presidente da Câmara garantiu que os serviços de protecção civil já determinou "qual o tipo de correcção do muro de base para que a rua que está interdita à circulação seja reaberta o mais rapidamente possível".

Comentando os procedimentos determinados no âmbito de questões relacionadas com a Protecção Civil, Domingos Bragança observou: "se acontecer uma desgraça, ninguém vai perguntar ao Presidente da Câmara pelo procedimento, vai querer saber por que não entregou a obra para intervir de imediato na iminência de perigo".

O Autarca adiantou que em todo o concelho estão sinalizados "vários muros" em situação de perigo, revelando ainda que já foi encerrada por indicação dos serviços de protecção civil o trânsito automóvel numa estrada que atravessa duas pedreiras na freguesia de Airão Santa Maria.

em Política

Marcações: André Coelho Lima, Domingos Bragança, Moreira de Cónegos, muro, Protecção Civil, reunião camarária, Gondar, edifício Mimosa, ajuste directo

Imprimir