André Coelho Lima vaticina: "A via do Avepark não vai ser executada"

"Acho que não vão fazer a via do Avepark". A afirmação foi feita pelo Vereador do PSD André Coelho Lima, durante a reunião do Executivo vimaranense realizada ontem. No final da sessão, reafirmou a convicção, dizendo, em jeito de vaticínio: "Se querem, estou aqui a fazer de Zandinga: a via do Avepark não vai ser executada."

"É muito cara para aquilo que significa e pode ser feita uma alternativa mais barata que é a criação de um nó da auto-estrada na zona de Brito. Com isto fazemos menos de metade do investimento e atingimos mais pessoas", salientou, observando que a via do Avepark não serve a população das Taipas no acesso à Cidade. Temos o grande constrangimento que é a EN 101 e esta via não é uma verdadeira alternativa para as pessoas da vila. É um erro crasso... Vai ter de passar o tempo necessário para que o erro possa ser assumido", declarou aos jornalistas.

Ao ser confrontado com o assunto, o Presidente da Câmara reagiu: "É o pior que pode fazer-se... É pôr dúvidas sobre o trabalho que interessa a Guimarães. Nós conseguimos pela primeira vez em 20 ou 30 anos que, em 2017, o Governo desse prioridade a esta ligação para Guimarães e protocolou cerca de 18, 5 milhões de euros."

Reiterando que o contrato será desenvolvido em três fases, primeiro o desnivelamento da rotunda da auto-estrada em Silvares, seguido da construção da rotunda de Ponte na EN 101, de ligação ao parque industrial, e depois a via de ligação ao Avepark, Domingos Bragança lembrou que está a decorrer o concurso público lançado pelas Infraestruturas de Portugal para o desnivelamento e que a obra da rotunda de Ponte deverá ser lançada brevemente. "O projecto está pronto e está para aprovação o estudo do impacte ambiental que é mínimo. Se ele for aprovado, começamos com a aquisição de terrenos para tornar irreversível esta obra", frisou.

"A obra de ligação ao Avepark é fundamental para desenvolver aquele parque tecnológico... E que não venha um Governo a seguir tentar estragar o que foi feito nestes anos, era o pior que nos podia acontecer... E nunca deixarei isso!", insistiu Domingos Bragança. "Foi essa ligação que fez com que o investimento no Avepark fosse realizado com grande intensidade", continuou.

Curiosamente, a discussão em torno da ligação ao Avepark surgiu durante a apreciação da proposta de lançamento da Operação de Reabilitação Urbana (ORU) da área de reabilitação urbana do centro da Cidade, concretamente da Rua D. João I à zona de Couros e de modo a incluir as zonas da Horta e Cruz de Pedra.

Na análise, André Coelho Lima observou que a reabilitação dos fornos da Cruz de Pedra não apresentada pela gestão socialista agora não aparece no documento com um prazo, lamentando "a demagogia". Seguiu-se uma longa troca de argumentos sobre o que são e o que não são "acusações de posições demagógicas".

No final da sessão, o Presidente da Câmara considerou o projecto "prioritário" para a preservação do património ligado à olaria e reconheceu o atraso "por falta dos projectos de especialidades".

Resta acrescentar que a proposta da Operação de Reabilitação Urbana (ORU) foi aprovada por unanimidade.

em Política

Marcações: reunião camarária, via Avepark

Imprimir