Nova rotunda no acesso ao Parque Industrial avança em Ponte para concretizar ligação ao Avepark

O executivo vimaranense aprovou por unanimidade a proposta para início de procedimento da obra de construção da rotunda na estrada nacional 101, no cruzamento do acesso ao Parque Industrial, na vila de Ponte. A intervenção corresponde à segunda fase do projecto da nova via de acesso ao Avepark, envolvendo um investimento de cerca de um milhão de euros.
Na discussão da proposta, o vereador do PSD, André Coelho Lima, recordou os contornos do debate sobre a projectada ligação, questionando a maioria socialista sobre o conteúdo do parecer da Infraestruturas de Portugal (IP) "quanto à realização da obra e assim perceber qual o resultado do estudo de impacto ambiental". "Se avançamos para a construção de uma rotunda é importante sabermos os pormenores do estudo", afirmou.
Na reacção, o Presidente da Câmara frisou que a nova via de ligação é ao Avepark "é um objectivo, sabendo que teve e tem muitos escolhos pelo caminho", aproveitando para lembrar o processo que permitiu a integração pelo Governo no Programa de Valorização das Áreas Empresariais, com o financiamento de 80 por cento.
"A via do Avepark será executada em três fases: a primeira é o desnivelamento da rotunda de Silvares, no acesso à auto-estrada, que está em execução pela IP; a segunda fase é a rotunda de Ponte e a terceira fase será o tramo novo que terá início nesta rotunda e ligará ao Parque de Ciência e Tecnologia", sustentou Domingos Bragança, acrescentando "sabendo que este projecto para o novo tramo já está aprovado pela IP e que está agora a ser sujeito ao estudo de impacto ambiental, de acordo com o compromisso que assumi com os vimaranenses no debate público".
Para além de integrar o projecto da nova via, a construção da rotunda foi justificada com a pretensão manifestada pelos industriais daquela zona, tendo o Presidente da Câmara declarado que a intervenção servirá para "continuar a reperfilar e suavizar a requalificação da EN 101, em diálogo com o IP". Domingos Bragança insistiu: "nunca desistirei do tramo até ao Avepark, dele dependendo as expectativas para aquele parque; será uma via com percurso ciclável e pedonal e com saídas para todas as freguesias que atravessa na zona Norte do Concelho".
"Mesmo na hipótese remota, para mim porque estou a trabalhar para executar a via do Avepark, de não ser este o sítio de início do novo tramo, esta rotunda é fundamental para a EN101 e para o Parque Industrial, naquela possibilidade de estarmos a trabalhar também no reperfilamento da EN 101, com a IP. Obviamente, terá uma outra profundidade nos modos suaves de atravessamento porque a nova variante quando for construída retirará muito trânsito à EN 101 e permitirá uma intervenção de modos suaves, transformando-a num grande arruamento urbano de ligação às Taipas, Ponte e todas as freguesias envolventes", assinalou o Presidente da Câmara.
"O projecto do novo tramo foi aprovado pela IP e está a ser sujeito a estudo de impacto ambiental. São as estruturas nacionais do ambiente que têm de se pronunciar. Eu não sei o que se está a passar porque há perguntas e respostas dirigidas à equipa da Câmara Municipal e aos técnicos a quem a Câmara encomendou este estudo. Quando houver a resolução definitiva sobre ele darei conhecimento público", esclareceu, frisando que se for necessário "dentro do que a Agência Portuguesa do Ambiente apontar para ser melhor ajustar aqui ou acolá... Se houver ajustamentos a fazer por indicação da APA e das outras entidades que tutelam o ambiente, cá estaremos para o fazer. No limite, se o estudo de impacto ambiental disser que a via não pode ser feita, não a faremos, mas tenho dados suficientes para dizer que, e comparando com outras situações de outros concelhios que, as questões de sensibilidade ambiental nesta via não têm significado especial que não possam ser resolvidas ou ajustadas se for caso disso", declarou o Presidente da Câmara.
De acordo com Domingos Bragança, num primeiro momento "a IP entendeu que deveria dialogar com a Agência Portuguesa do Ambiente". "Há cerca de dois meses, a IP comunicaram que uma vez que a estrada será executada pela Câmara Municipal compete à Autarquia esse diálogo e fundamentação junto da APA", informou.

Oposição insiste
no reperfilamento da EN 101

Os vereadores da Oposição votaram a favor da proposta. No final da sessão, ao referir-se ao estudo de impacto ambiental do projecto da nova via, após ter ouvido o Presidente da Câmara a admitir "reajustes", André Coelho Lima, do PSD, afirmou "presumir que pode haver pronúncias negativas". "Já se perceber que será muito difícil e não vamos esperar 20 anos", acrescentou, classificando de "excelente" o reperfilamento da EN 101 entre Fermentões e as Taipas. "Terá todo o nosso apoio porque nos batemos por isso desde 2013", continuou, aproveitando para sugerir o reperfilamento "quase simbólico entre a rotunda existente na ligação a Silvares e o cruzamento de acesso ao Parque Industrial. "São 600 metros, mas já seria o primeiro troço para garantir a fluidez do trânsito e concretizar aquilo que perseguimos", anotou Coelho Lima.
No final da sessão, o Vereador do CDS-PP, António Monteiro de Castro, indicou que a nova rotunda só faz sentido com a construção da nova via de acesso ao Avepark. "A faixa de espera que existe é suficiente para não obriga a criar filas, nem prejudica o trânsito", defendeu, insistindo mostrando "reservas sobre a exequibilidade do projecto da nova via com a actual configuração", e que a ser feita a obra na rotunda de Ponte "deverá atender ao projecto da futura requalificação da EN 101".


Marcações: Ponte, via Avepark, Parque Industrial de Ponte

Imprimir Email