Luís Cirilo responde e ataca Alves Pinto

As declarações de Alves Pinto sobre o processo de escolha do próximo deputado de Guimarães para a Assembleia da República, provocaram mais um capítulo da telenovela das profundas divergências internas no PSD de Guimarães. Luís Cirilo reagiu de forma contundente, facto que deixa perceber que a luta entre as duas facções social-democratas em confronto político no interior do PSD de Guimarães estará longe de ter os dias contados. Comentando as declarações do líder da Concelhia de Guimarães do PSD ao programa Uns e os Outros da Rádio Santiago, quando garantiu não dar apoio à sua recondução como deputado, Luís Cirilo desvalorizou o seu conteúdo. No entanto, sublinhou tratar-se meramente de uma "posição pessoal" de Alves Pinto que não causou "surpresa" ao deputado social-democrata mas sobre uma questão considerada "absolutamente prematura e desadequada" porquanto o Partido "ainda não abriu o processo de escolha do candidatos".
Nas suas declarações, Luís Cirilo comentou a eventual indisponibilidade de Alves Pinto para continuar no exercício dos cargos político-partidários.
Particularmente a possibilidade de Alves Pinto não assumir a Vereação municipal, mereceu uma clara reprovação.
Segundo Luís Cirilo, no PSD "sempre os mandatos foram para cumprir por respeito ao voto dos eleitores". Na sua opinião, quando essa não é a
vontade dos candidatos, deve haver "pelo menos o bom senso, a cortesia e a correcção de avisar previamente os eleitores para que estes não se sintam enganados".
A provar que as divergências internas no PSD de Guimarães estão longe de deixar ser uma realidade, Cirilo não deixou escapar a oportunidade de
comentar as afirmações do líder da Concelhia sobre a sua proposta de paz interna.
"Era o que faltava, enquanto militante do PSD há 27 anos, estar dependente de Alves Pinto para fazer qualquer proposta dentro do meu Partido", comentou o Deputado que reiterou a polémica proposta decorrente da necessidade de "esbater divergências e começar a construir uma alternativa autárquica credível e ganhadora".
"Continuo disponível para colaborar dentro de princípios de seriedade e lealdade", acrescentou antes de confessar-se magoado com aquilo que
considera ser uma "calúnia ofensiva" de Alves Pinto quando afirmou que Luís Cirilo se "colou ao PS" durante a pré-campanha eleitoral a propósito das opiniões emitidas sobre o pavilhão multiusos.
Segundo Luís Cirilo, o líder da Concelhia do PSD, quando fala de colagens ao PS "deve olhar à sua volta e logo verá alguns que com ele colaboram e que há muito pouco tempo colaboraram com PS contra o PSD", numa referência ao novo vereador social-democrata Carlos Vasconcelos, "por quem tenho muito apreço pessoal e pelo trabalho que tem desenvolvido"
e ao apoio público que o jovem advogado manifestou a Jorge Sampaio contra Ferreira do Amaral nas últimas eleições presidenciais.

em Política

Marcações: Política

Imprimir