«Giro» do IN-Ruas para a redução de riscos dos utilizadores de drogas

Raquel Rodrigues (enfermeira) e Sara Freitas (psicóloga) são a cara do Projecto IN-Ruas, assentando a sua intervenção no âmbito da redução de riscos e minimização de danos junto de utilizadores de drogas, na zona Urbana de Guimarães.

O projecto nasceu 2008, numa parceria entre o Sol-do-Ave, a Câmara Municipal de Guimarães e o Centros de Respostas Integradas (CRI), numa intervenção que se centra numa equipa de rua que implementa um conjunto de estratégias de Redução de Riscos e Minimização de Danos (RRMD), actuando também ao nível do apoio psicossocial e do encaminhamento para estruturas sócio-sanitárias.

A coordenadora do IN-Ruas, Marta Coutada, explica que o projecto tem como objectivo facilitar o acesso a materiais e estratégias de redução de riscos a utilizadores de drogas. Raquel Rodrigues e Sara Freitas desenvolvem o trabalho de terreno, com base numa unidade móvel, que constitui o garante desta acessibilidade.

A equipa pretende reduzir riscos associados ao consumo de drogas, disponibilizando a troca de material de "consumo asséptico para consumo injectado e fumado", como, por exemplo, as seringas. Para além desse material, o IN-Ruas assegura a disponibilização de preservativos, educação para a saúde e práticas de menor risco e cuidados de enfermagem, como a intenção de reduzir riscos associados às práticas sexuais.

"De facto, a troca de material de consumo por si só não garante mudança comportamental – é necessário um trabalho contínuo de informação e sensibilização para esse efeito", afirma. Com este projecto, Marta Coutada quer "tentar aproximar os utilizadores de drogas dos serviços de saúde", com a equipa a funcionar como elo de ligação entre os utilizadores de drogas e estas estruturas.Os utentes são ainda alvo de apoio psicossocial, encaminhamentos e acompanhamentos conforme as necessidades individuais apresentadas.

Desde Agosto de 2008 até ao presente, o projecto abordou 407 utentes, dos quais 134 indivíduos foram contactados no período entre 1 de Janeiro de 2016 e 31 de Dezembro de 2017. Na sua maioria, 87% dos utentes são do sexo masculino, enquanto 90% são utilizadores de substâncias psicoativas, com idades compreendidas entre os 24 e os 72 anos.

As principais substâncias consumidas são a heroína, a base de coca e o speedball, sendo que 63% consomem por via fumada (na prata), 25% consomem por via injectada e 12% utilizam as duas vias de administração. Dos restantes consumidores, seis têm consumos problemáticos de álcool e dois são consumidores de cannabis.

No que toca ao Programa de troca de seringas - «Diz Não a Uma Seringa em Segunda Mão» -, as farmácias do concelho de Guimarães já distribuíram 620 Kits (1240 seringas) até Setembro, mais 55 (555 kits) do que no período homólogo do ano anterior. Já a equipa InRuas distribuiu 187 Kits (374 seringas) nos primeiros nove meses do ano, menos 46 que no mesmo período de 2017 (233 kits).

O número de preservativos entregues aumentou dos 788 registados até Setembro de 2017 para os 807 do corrente ano. De referir que, segundo a Direcção-geral de Saúde, não existem unidades de cuidados de saúde primários a fazerem trocas em Guimarães.

A equipa segue para o "giro" (circuito de assistência" três vezes por semana, concretamente às segundas, quartas e sextas-feiras, entre 13h30 e as 16h30.

em Saúde

Marcações: IN-Ruas, Vacinas

Imprimir