Urgência do Hospital de Guimarães tem registado picos de procura mas está preparado para responder à população

O Serviço de Urgência do Hospital da Senhora da Oliveira tem registado picos de afluência que preocupam as corporações de bombeiros por verem as ambulâncias retidas naquela unidade hospitalar, comprometendo o socorro à população.

Segundo o JN a situação tem acontecido nos últimos dias. Ouvido pelo Grupo Santiago, o enfermeiro do serviço de urgência Fernando Rocha fala de uma situação pontual que ocorre em picos de elevada procura.
"Temos tido pontualmente situações destas e para exemplificar, o dia de hoje está perfeitamente controlado. A situação está calma e importa salientar que estamos preparados para a situação que estamos a viver", afirmou.

Ainda segundo aquele responsável, "os picos de procura podem acontecer a qualquer momento e em conjunto temos de encontrar (Hospital e Bombeiros) a melhor forma de os resolver. Pessoalmente tenho falado com os Comandantes e temos conseguido chegar a «bom porto». O que importa registar é que isso não tem sido regra sem esquecer que estamos a viver um tempo atípico em que a procura é maior mas como digo temos de saber encontrar as soluções necessárias".

Numa época complexa como a que vivemos, Fernando Rocha diz que não é possível antecipar a capacidade de resposta do serviço de urgência quando ocorrer o pico da gripe que ainda se aguarda e que se cruzará, inevitavelmente, com a pandemia.
"Essa é uma pergunta para a qual não existe resposta, isso é uma incógnita. Nós temos uma capacidade instalada e em termos de espaço temos uma resposta diferente com mais soluções e estamos preparados para o desenrolar da situação, só esperamos que não aconteçam muitas situações como nos últimos dias mas seguramente que saberemos responder".

O serviço de urgência já funciona nas novas instalações mas Fernando Rocha reitera que a situação não se explica com essa mudança nem com a falta de recursos humanos.
"A questão é esta, não se consegue prever o que vai acontecer, se vamos ter uma afluência maior ou menor. O que importa salientar é que o serviço está preparado para atender a população que serve", concluiu.

quarta, 04 novembro 2020 11:04 em Saúde

Marcações: Hospital de Guimarães, Serviço de urgência

Imprimir