PAN diz que há "escassez" de respostas de saúde mental para adolescentes do Concelho

O PAN Guimarães considera que é "escassa", a resposta de saúde mental para adolescentes vimaranenses. Em comunicado, o PAN diz que se trata de uma carência detectada em contactos com psicólogos escolares do Concelho, salientando que "estes profissionais já há algum tempo têm assistido, com apreensão crescente, ao avolumar dos pedidos de avaliação/intervenção associados a questões emocionais inerentes ou agravadas pela pandemia que nos assola".

Segundo o PAN, o projecto «CoAction Against COVID-19» implementado pela Câmara Municipal de Guimarães pretende fazer o rastreio, a avaliação e a intervenção nos problemas de saúde mental de crianças até 10 anos em contexto de pandemia, sendo operacionalizado com a colaboração dos psicólogos escolares do Concelho. No entanto, "os profissionais supramencionados referem que é de igual gravidade a situação inerente aos adolescentes que, pelas idiossincrasias desta faixa etária, estão a vivenciar problemas emocionais muito graves devido às diversas privações exigidas pelo confinamento e com impacto a vários níveis de vida», afirma o porta-voz do PAN de Guimarães.

Nuno Teibão salienta que «ainda se desconhecem os efeitos a longo prazo deste problema nas crianças e jovens mas existem já várias notícias, a nível nacional e internacional, que apontam para um aumento de pedidos de consultas de psicologia e pedopsiquiatria nestas faixas etárias». Neste contexto, o PAN defende que a Câmara aposte, "a curto/médio prazo, num projecto que faça intervenção com os adolescentes, à semelhança da que está no terreno com as crianças até aos 10 anos, e que invista num programa de prevenção das problemáticas emocionais visando intervir a montante".

Marcações: PAN, saúde mental, CoAction Against COVID-19

Imprimir Email