Euro provoca protesto

Encarregado de educação de um aluno da Escola João de Meira acusa direcção do estabelecimento de ensino de irresponsabilidade na utilização da nova moeda. Um aluno viu-se impossibilitado de tirar uma senha para o almoço, alegando o funcionário em causa, que só poderia receber o pagamento em escudos, caso o valor estivesse certo. A acusação parte de um encarregado de educação de um aluno da Escola João de Meira. João Carlos Gonçalves fala de uma situação insólita que, por duas vezes, deixou o seu afilhado sem almoçar. Em causa está a entrada em vigor da nova moeda. É que segundo este encarregado de educação, o aluno viu-se impossibilitado de tirar uma senha para o almoço, alegando o funcionário em causa, que só poderia receber o pagamento em escudos, caso o valor estivesse certo. Uma situação que deixou revoltado João Carlos Gonçalves.
No entanto, a explicação por parte da escola é diferente. A Presidente do Conselho Executivo fala de falta de atenção do aluno em causa, porquanto a direcção do estabelecimento de ensino informou os educandos da existência de uma funcionária que estaria disponível para fazer a reconversão dos escudos para euros. É que segundo Teresa Ferreirinha, a escola ainda não dispõe de caixas registadoras na nova moeda, pelo que, e devido à elevada afluência de alunos nas horas do recreio para requisitar as senhas de almoço,a direcção do estabelecimento de ensino viu-se obrigada a criar um posto de banco. Os alunos terão, assim, que passar, anteriormente, por esse posto, com vista a poderem trocar o dinheiro.


em Sociedade

Marcações: Sociedade

Imprimir