Tribunal de Guimarães iliba polícias que agrediram e cegaram adepto do Boavista

O Tribunal de Guimarães decidiu esta quinta-feira não levar a julgamento nenhum dos 11 efectivos do Corpo de Intervenção da PSP que estavam acusados de agredir e cegar um adepto do Boavista, em Guimarães, em Outubro de 2014.

Fonte judicial disse à Lusa que nenhum dos arguidos vai a julgamento, porque não foi possível provar que tivessem sido os polícias os autores da agressão.
Os 11 polícias estavam acusados pelo Ministério Público de um crime de ofensa à integridade física grave qualificada, mas pediram abertura de instrução.
Segundo a acusação, o adepto, como resultado das agressões, sofreu, além do mais, "perda do globo ocular direito, com as inerentes perda total de visão e alterações faciais".

Os factos ocorreram a 3 de Outubro de 2014, aquando do jogo da 7.ª jornada da I Liga entre o Vitória e o Boavista.
A acusação diz que, à chegada dos autocarros que transportavam os adeptos do Boavista, um dos arguidos abordou um destes adeptos, instando-o a que se movimentasse para determinado local.
"Como este não o tivesse feito de imediato, derrubou-o ao solo, colocou-lhe um joelho por cima das costas e fê-lo permanecer deitado no solo de cara para baixo", refere.
Diz ainda que, de seguida, ele e outros dois arguidos "bateram no referido adepto, nomeadamente com cotoveladas, pontapés, socos e pancadas de cassetete, enquanto os demais arguidos os integraram no interior de um círculo que formaram e assim impediram que lhes fosse prestado socorro".

O juiz decidiu-se hoje pela não pronúncia, o que significa que não vão a julgamento.


Marcações: ac idente, mulheres

Imprimir Email