Tribunal Eclesiástico analisa eventuais irregularidades nas eleições da Santa Casa da Misericórdia de Guimarães


A Mesa da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia de Guimarães deu conta à Arquidiocese de Braga de alegadas irregularidades verificadas nas eleições para os novos corpos gerentes da Instituição, realizadas no passado dia 24.
A notícia é publicada na edição desta quarta-feira do jornal O Comércio de Guimarães que adianta que a posição daquele órgão liderado por Isidro Lobo foi confirmada por fonte da Arquidiocese de Braga.

Refira-se que o resultado eleitoral da Santa Casa da Misericórdia de Guimarães tem de ser homologado pelo Arcebispo Primaz de Braga. Neste contexto, a informação de alegadas irregularidades verificadas durante as eleições está agora a ser analisada por um grupo de trabalho constituído pelo Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese que ouvirá as partes antes de promover uma decisão vinculativa.
Tanto Isidro Lobo como o Assessor para a comunicação social da Arquidiocese de Braga, escusam-se a revelar os fundamentos invocados na acta do sufrágio.
No entanto, segundo O Comércio de Guimarães, esses fundamentos estarão relacionados com procurações emitidas para exercício do direito de voto. De acordo com os estatutos, cada irmão pode votar com procuração por outro irmão.

Recorde-se que nas eleições realizadas no passado dia 24, a lista B, liderada por Eduardo Leite, obteve 259 votos e a lista A, encabeçada por José Catarino Santos, 209.

Marcações: eleições, Santa Casa da Misericórdia de Guimarães, Tribunal Eclesiástico

Imprimir Email