Consumo de álcool por menores pode ser «problema» para ter Nicolinas Património da UNESCO


O consumo de álcool por menores pode constituir um grande problema para que as Nicolinas sejam consideradas Património Imaterial da UNESCO. A opinião é do autor do estudo promovido pela Câmara sobre a tradição centenária dos estudantes de Guimarães. Jean Yves Durand falava esta tarde na apresentação do estudo «As festas Nicolinas em Guimarães: tempo, solenidade e riso».
O antropólogo lembra que a venda e consumo de álcool por menores é proibido por lei. Com essa certeza, considera pouco provável que uma candidatura promovida pelo Município seja aprovada por uma entidade onde estão representados países onde o consumo de álcool é proibido.

Ainda de acordo com o autor do estudo, existe outro problema a dificultar a candidatura das Nicolinas que tem a ver com o "colapso da plataforma" de pré registo e inscrição nacional da candidatura da Direcção Geral do Património Cultural.
"A ficha sobre as Nicolinas está lacrada há dois anos e ainda não recebeu qualquer comentário da Direcção Geral do Ptarimónio Cultural e há outras fichas que aguardam há três anos como, por exemplo, a candidatura dos sardões e passarinhas. Dizem que há falta de recursos humanos", afirmou Jean Yves Durand. 

Jean Yves Durand propõe aos nicolinos um "debate profundo" sobre questões "incontornáveis" que se colocam a umas festas centenárias que quer preservar tradições no século XXI. Para debate propõe temas como as praxes nicolinas e a participação feminina nos festejos.


Marcações: UNESCO, Festas Nicolinas, Património Imaterial

Imprimir Email