Já mexe uma resposta ao repto da Câmara Municipal: 700 camas para estudantes num complexo inovador

Se hoje fosse vivo, Abel Pinheiro Ribeiro da Silva completaria 80 anos de idade. Ele foi um entusiasta da reabilitação do centro histórico e um empresário de grande visão, empreendedor dinâmico que começou na actividade comercial, criou e desenvolveu importantes unidades industriais e actuou também na actividade imobiliária, entre outras, em Portugal e no estrangeiro. Dispondo a família de um grande imóvel industrial que ficou recentemente devoluto, entendeu responder duplamente ao repto do Presidente da Câmara e apostou num projecto de transformação do imóvel em espaço residencial e na vertente principal para alojamento de estudantes.

Em jeito de homenagem póstuma por ocasião do seu aniversário natalício, a família decidiu tornar público neste dia 20 de Fevereiro esse importante projecto que responde de forma inovadora e a preços acessíveis a uma das necessidades prioritárias da Cidade-Berço.

A Abelimóveis, Imobiliária, SA, inaugurará em 2021, em Guimarães, uma das maiores residências universitárias de Portugal, com preços de 180 euros mensais, que incluiu água, luz, internet, segurança 24 horas por dia, acesso às salas de estudo e convívio e à praça central.

Com tudo pensado ao detalhe. Chamam-lhe um PBSA – Purpose-Built Student Accomodation, ou seja, um alojamento especializado em acolher estudantes, parece uma pequena aldeia e é muito mais do que um local para dormir.
A promotora, Abelimóveis, SA, contratou uma reputada empresa na área imobiliária reconhecida pela sua especialidade em novos conceitos imobiliários para desenvolver o projecto, sendo esta responsável por todas as especialidades, conceito e desenho do equipamento.
São centenas de novas camas, repartidas por alojamentos individuais e duplos numa localização a pouco mais de 500 metros da Universidade do Minho, a poucos minutos a pé ou de bicicleta.
O espaço conta com inúmeras facilidades e serviços como clínica, ginásio, zona de restauração, lavandaria e limpeza, salas de estudo, garagem para bicicletas com todos os acessórios necessários à manutenção das mesmas, salas de arrumos, espaços para convívio entre muitos outros. Tudo num espaço de grande qualidade, moderno, limpo, amplo com muita luz natural, alimentado por energias renováveis com segurança 24 horas por dia. A grande centralidade do equipamento será um “grand hall” ou praça central preparada para receber os mais variados eventos como concertos, exposições, stand up comedy, peças e obras de teatro, ou seja até onde a imaginação possa acompanhar. Por último um dos serviços mais importantes a prestar aos alunos é que empresas recrutadoras estarão permanentemente presentes num espaço próprio para que a empregabilidade dos utilizadores do espaço seja a mais elevada possível.

O público-alvo são professores, alunos do ensino superior, alunos de Erasmus, pós-graduados, doutorados com e sem família e para estes existem unidades em diferentes partes do equipamento para que tudo flua em harmonia mas também para ex-alunos que queiram começar a sua vida em Guimarães e jovens casais em igual situação. Os responsáveis do projecto não estão só a pensar no campus de Azurém da UM mas também na nova Escola Superior de Hotelaria e Turismo, na nova Escola de Música e Escola de Artes Performativas e Visuais, bem como, quaisquer outros estabelecimentos de ensino presentes no Distrito. Com este equipamento torna-se assim financeiramente possível viver em Guimarães durante e após a conclusão da vida académica.
Com preços de 180 euros/mês, a promotora tem bem consciência que o preço e a qualidade são factores decisivos sem os quais este projecto não terá sucesso. A escala é o que permite conseguir qualidade superior, com isolamentos térmicos e acústicos adequados, e valências tão importantes a preços ultra competitivos. Para além do preço, a rapidez de execução é determinante uma vez que o “time-to-market” é importantíssimo em qualquer negócio. Para os promotores não há dúvidas sobre avançar. Eles têm o terreno, a estrutura já feita, a localização, os materiais, o conhecimento sobre isolamentos e conseguem colocar no mercado um produto rapidamente com preços que os alunos e famílias realmente podem pagar, respondendo assim de uma forma imediata às necessidades da Cidade.
Com este equipamento a Universidade vai crescer, a Cidade vai crescer, o emprego vai melhorar e mais e melhores empresas vão fixar-se em Guimarães, pois esta é a nova grande tendência, a das empresas se fixarem onde existe mão-de-obra qualificada e não esperar que a mão de obra se desloque até às sedes das suas empresas.
Esta iniciativa conta com várias parcerias nacionais e internacionais para que a taxa de ocupação seja a mais elevada possível e brevemente vão ser aceites pré-reservas e acordos de duração mais longos para que, desta forma, o estudante possa saber exactamente o que vai pagar durante a duração da sua formação e possa beneficiar dos melhores preços possíveis.


Marcações: Abel Pinheiro Ribeiro da Silva, complexo , 700 camas

Imprimir Email