Nova rede de transportes de Guimarães vai ser apresentada em sessão pública esta quarta-feira no auditório da Francisco de Holanda

A Câmara de Guimarães vai realizar esta quarta-feira uma sessão pública para apresentação do plano de transportes. A iniciativa está agendada para as 21h30, no Auditório da Escola Secundária Francisco de Holanda.

Depois de ter sido apresentado à vereação vimaranense na última reunião do Executivo, o “Plano para a exploração do serviço público de transporte rodoviário de passageiros no concelho de Guimarães” vai ser agora divulgado numa sessão em que os interessados poderão participar, podendo o documento ser consultado no sítio da internet do Município.

O aumento da oferta em cerca de 800 mil km/ano e a comparticipação do Município no total de 10 anos, entre 2021 e 2030, na ordem dos 25 milhões de euros, são algumas das implicações da proposta do Plano para a Exploração do Serviço Público de Transporte Rodoviário de Passageiros no concelho de Guimarães, cuja segunda fase com a proposta de rede foi apresentada pela equipa coordenada por Álvaro Costa, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Após ter apontado "a complexidade do projecto", o perito salvaguardou que só posteriormente será discutida a criação ou não de uma empresa municipal para gerir este processo, passando a palavra a Simão Portela que deu a conhecer detalhadamente os pormenores do projecto.

A rede actual de transportes vai manter-se até ao dia 31 de Julho de 2020, porque a partir de 1 de Agosto do próximo ano, a nova rede entrará em vigor, embora condicionada ao fim do contrato de concessão dos TUG que termina a 1 de Março de 2021. A rede municipal única, com integração da rede urbana, terá início em Março de 2021 e o fim a 31 de Julho de 2030.

De acordo com o referido Plano, as principais alterações vão implicar o reforço da oferta, privilegiando-se a ligação da Estação da CP (Lordelo) - eixo industrial dominante - Espaço Guimarães; Avepark - Taipas - Parque industrial de Ponte - Espaço Guimarães; e Serzedelo - zona Industrial de Guimarães - Moreira de Cónegos - Estação da CP de Lordelo.

Está ainda definido o reforço de linhas municipais e urbanas com vista à sua integração, nomeadamente as "linhas do centro urbano"; o "arco Vilar, Selho S. Lourenço, Aldão, Margaride"; o "arco S. Jorge de Selho, Pevidém, Selho S. Cristóvão, Candoso S. Martinho e Candoso S. Tiago, Santo Amaro e Covas; a extensão da linha 11 a Conde e Moreira de Cónegos; a extensão da Linha 21 a Paçô Vieira e cemitério de Monchique; e o transporte flexível em períodos de baixa cobertura da rede regular.

Segundo o responsável, "a rede terá melhorias e no cenário futuro serão abrangidos 800 mil Km por ano, com encargos financeiros para o Município e incremento da mobilidade eléctrica".

Quanto ao tarifário, "o modelo será semelhante ao actual, baseado-se em tabelas de relação preço-distância. O bilhete de bordo no centro urbano passa a ser de 1,80 € para 1,50 €. Já o passe mensal da linha de Cidade, actualmente de 17 €, passará a abranger todo o centro urbano".

"A futura rede reforçará o serviço, com a cobertura das freguesias, zonas industriais e Avepark, com reforço no período nocturno, fins-de-semana e períodos de férias escolares. Está prevista a integração das redes urbana e municipal, a melhoria da frota, devido a uma redução da idade média e a uma clara aposta em autocarros movidos a energia eléctrica", preconiza o estudo.

O Plano contempla uma terceira fase, em que será definido o modelo de gestão e organização (podendo passar pela criação de uma empresa municipal), o enquadramento para o transporte de passageiros flexível e o estudo económico-financeiro. Será ainda pedido o parecer prévio vinculativo à Autoridade da Mobilidade e dos Transportes. O lançamento do concurso público internacional terá de ser feito até 3 de Dezembro, data limite legal, sendo depois pedido o parecer ao Tribunal de Contas.

"Vai mudar o paradigma do transporte público no concelho de Guimarães"

Presidente da Câmara, Domingos Bragança

"O plano corresponde às condições para o futuro dos transportes em Guimarães: maior atendimento do transporte urbano, o transporte flexível e coordenado com as restantes freguesias do Concelho e também uma frota com mobilidade eléctrica.
Estamos satisfeitos pelo grau de rigor e profundidade deste estudo e há que preparar os concursos públicos internacionais para que tudo isto tenha concretização. Vai mudar o paradigma do transporte público de passageiros no concelho de Guimarães.
Na terceira e última fase, vamos ver qual é o modelo de concessão: se será misto (uma empresa que tem capital municipal e capital privado) ou se será por concessão. E poderá nuns casos ser por concessão - o transporte urbano - e pode no caso do transporte flexível ser por empresa municipal. Ou então, o contrário! É claro que vai custar cerca de três milhões de euros por ano".

"Abre-se uma nova era porque o Município vai passar a investir nos transportes".
vereador do PSD, André Coelho Lima

"Este foi o tema principal do mandato anterior e até da última campanha eleitoral. A CDU não está hoje representada na Câmara, mas é preciso dizê-lo com justiça que o vereador Torcato Ribeiro sempre interveio também sobre esta matéria. Tínhamos aqui a mesma posição: o Município tem que investir em transportes, gastando algum dinheiro para que as pessoas tenham uma rede capaz com preços acessíveis e isto nunca existiu. A política da Câmara socialista em Guimarães foi a do utilizador-pagador e sempre ouvimos o anterior Presidente da Câmara e o vereador Amadeu Portilha até a fazerem gáudio da circunstância de que os transportes públicos não davam prejuízo. De facto, não davam, mas também não serviam as pessoas e nós defendemos sempre que a Câmara fizesse um investimento em coesão territorial, com uma rede de transportes que chegasse a todas as pontas do Concelho e a todos os vimaranenses. Com este estudo abre-se uma nova era porque o Município vai passar a investir nos transportes".

"Tenho a forte convicção que vai ser uma revolução em Guimarães".
Vereador do CDS-PP, António Monteiro de Castro

"Temos vindo a lutar contra o princípio instituído em Guimarães de utilizador-pagador! Somos contra isso. Achamos um insulto ao bom senso! E ficamos contentes com a proposta que apoiamos inteiramente porque é um projecto global dos transportes para servir o Concelho.
Os projectistas preocuparam-se com o preço para os bilhetes, mas parece que é importante utilizar os dinheiros municipais no sentido de fazer uma discriminação positiva em relação aos moradores da periferia do Concelho.
O orçamento municipal deverá compensar os vimaranenses que residem na periferia. Estou certo que a Câmara não deixará de fazer essa atenção e assumir uma discriminação positiva para que quem vive em Arosa tenha acesso aos equipamentos que estão na Cidade. Tenho a forte convicção que vai ser uma revolução em Guimarães".

 


Marcações: Guimarães, transportes, Escola Secundária Francisco de Holanda, Plano para a exploração do serviço público de transporte rodoviário de passageiros no concelho de Guimarães

Imprimir Email