Convid-19: Hoteleiros de Guimarães recomendam medidas urgentes para o sector



A Associação Vimaranense de Hotelaria recomenda ao Governo com carácter urgente a tomada de medidas que ajudem a minimizar os prejuízos causados ao sector no âmbito da crise provocada pelo novo coronavírus.
Em comunicado, aquela Associação reclama a isenção de todas as obrigações fiscais por um período de 90 dias, susceptível de prorrogação caso as actuais medidas de restrição se mantiverem para além deste período, bem como a isenção do pagamento do fornecimento de serviços essenciais, designadamente de luz, água, gás, e comunicações, durante o período de vigência das medidas de contenção e mitigação da pandemia.
Os representantes dos hoteleiros vimaranenses defendem a revisão dos critérios para a verificação da situação de crise empresarial para efeitos de acesso à Linha de Crédito criada pelo Governo, de forma a que seja considerado o período homólogo dos últimos 30 dias, ao invés dos actuais 60 dias. Querem ainda a equiparação dos empresários em nome individual às sociedades comerciais e alargamento a sócios-gerentes do layoff simplificado.
A Associação Vimaranense de Hotelaria quer ainda ver decretada a isenção de pagamento das licenças devidas pela execução pública de obras fonográficas, isenção do pagamento de IMI referente a 2019, bem como a redução das taxas de retenção na fonte a senhorios que aceitem renegociar os contratos com as empresas do sector, para além da isenção do pagamento de IMI referente a 2019 a empresas que sejam proprietárias dos estabelecimentos que explorem e que se encontrem gravemente afectadas com a presente crise.

Marcações: Associação Vimaranense de Hotelaria, covid-19

Imprimir Email