Gualterianas com «mostra» da Marcha e igrejas e Castelo iluminados

A Câmara está a preparar um Plano de Acção Cultural que permita relançar a actividade do sector. No âmbito do plano está a ser estudada a forma como se assinalarão este ano as Festas Gualterianas.
O plano está ainda em aberto mas tudo aponta para que haja iniciativas presenciais, sempre com respeito pelas regras de segurança que vigorarem na ocasião, mas haverá um recurso significativo às plataformas digitais.
O Presidente da Câmara ressalva que o processo é dinâmico e depende da evolução da pandemia afirmando, porém, que nesta altura tudo aponta para que, simbolicamente, as iluminações públicas deverão ser circunscritas às igrejas de S. Gualter e S. Francisco e ao Castelo. Por outro lado, Domingos Bragança reiterou que não haverá Marcha, mas os obreiros propõem-se fazer uma mostra retrospectiva no espaço público do número que habitualmente encerra as Festas da Cidade. Uma exposição que poderá ser apreciada no largo do Toural, Alameda de S. Dâmaso e outros locais da Cidade.
Na reunião do executivo Municipal a vereadora da Cultura apresentou o esboço do Plano de Acção Cultural, desenhado na sequência de uma reunião recente mantida com agentes culturais vimaranenses. De acordo com Adelina Pinto, o que se pretende é "não deixar adormecer a cultura em Guimarães e, o mais rapidamente possível, assegurar trabalho aos vários agentes culturais". Dar trabalho e não "atribuir subsídios", vincou.


em Sociedade

Marcações: Castelo, Marcha Gualteriana, iluminações, Plano de Acção Cultural, igrejas de S. Gualter e S. Francisco

Imprimir