«Retrato» de Guimarães em 54 indicadores revelados pela PORDATA

No dia em que Guimarães cumpre o ser feriado Municipal, a PORDATA, projecto da Fundação Francisco Manuel dos Santos, assinala o seu 10º aniversário com a revelação de dados que fazem o «retrato» do nosso Concelho. São dados estatísticos compilados a partir de elementos recolhidos junto de diversas entidades e que revelam 54 indicadores-chave de Guimarães.
De acordo com os dados revelados, os mais recentes e relevantes são os seguintes:
152.551 habitantes (1);
Por cada mil residentes, 12 são estrangeiros (2);
Por cada 100 residentes, há 13 jovens com menos de 15 anos, 69 adultos e 18 idosos com 65 ou mais anos (1);
Nasceram 1.255 bebés e morreram 1.268 pessoas (1);
Há 141 idosos por cada 100 jovens, menos 17 idosos do que a média
nacional (1);
5.591 desempregados inscritos nos centros de emprego (5,3% da população residente entre os 15 a 64 anos), 57% a menos que os inscritos em 2010 (12.855), (1);
22.204 alunos matriculados nos ensinos pré-escolar, básico e secundário (2018);
Por cada 100 residentes com 15 ou mais anos, há 36 pensões atribuídas pela Segurança Social e pela Caixa Geral de Aposentações (2);
945€ é quanto ganham em média os trabalhadores por conta de outrem no Município, 222€ abaixo do ganho médio a nível nacional (2);
44 alojamentos turísticos, mais 31 do que em 2010 (2);
46 bancos e caixas económicas, menos 23 que em 2010 (2);
Saldo financeiro negativo da CM: -3.104 mil € (receitas: 83,3 Milhões €; Despesas: 86,4 Milhões €) (2);
13% das despesas da C.M. foram destinadas à cultura e desporto, valor superior ao de 2010 (8% do total das despesas) (2);
6% das despesas do Município são relativas ao ambiente, 2 pontos percentuais abaixo do valor registado a nível nacional (8%) (2);
O valor médio de avaliação bancária da habitação foi de 974 € por m 2 , 218 € inferior à média nacional (2).
Os dados da PORDATA permitem saber também que em matéria de gestão Municipal, entre 2010 e 2018, as despesas efectivas da Câmara aumentaram de 79 milhões de euros para 86 milhões e as receitas acompanharam a tendência, subindo de 77 para 83 milhões. Já o saldo financeiro do Município, foi de -2.314 milhões de euros em 2010 e -3.104 em 2018. No que respeita à cultura e desporto a Câmara aumentou a despesa de 8,2% para 13,3% e em ambiente a despesa passou de 5% para 6%, no mesmo período.
Por outro lado, o número de novos edifícios para habitação familiar desceu de 275, em 2010, para 169, em 2018 e os estabelecimentos do ensino pré-escolar diminuíram de 95 para 86. O mesmo aconteceu com as escolas do 1º ciclo (84 - 65), ao passo que no nível secundário esse número aumentou de oito para 11.
Referência para os crimes registados pelas polícias por mil habitantes que baixaram de 33,8% em 2010 para 20,8% em 2018. Já a taxa de mortalidade infantil de crianças até 1 ano de idade aumento de 0,7% para 2,4% e o número de óbitos subiu de 1.084 em 2010 para 1.200, em 2018. O ganho médio mensal dos trabalhadores por conta de outrem, passou de 806 euros para 945 euros e os beneficiários do RSI diminuíram de 4.835 para 1.384.
O número de espectáculos culturais registou um aumento considerável, passando de 104 para 372 e o número de alojamentos também cresceu, passando de 13 para 44.
Destaque ainda para o número de casamentos que baixou de 643 em 2010 para 351 em 2018 e os divórcios diminuíram de 373 para 298 no mesmo período.

As fontes oficiais utilizadas foram: INE, ANSR, APA, BP, CGA, DGAL, DGEEC, DGEG,
DGO, DGPJ, DGS, ERSAR, GEE, GEP, ICA, IGP, IISS, ISS, SEF, SGMAI, SIBS

______________________________
1 – Dados de 2019
2 – Dados de 2018


Marcações: PORDATA, indicadores

Imprimir Email