Ivo Vieira: "Não quero ser mais um a aumentar o volume da crítica"



O treinador do Vitória, Ivo Vieira, reconheceu que o encontro de domingo, com o FC Porto, será de um grau de dificuldade elevado para a sua equipa.
Na conferência de imprensa de antevisão do encontro, Ivo Vieira não quis prolongar-se sobre o momento do futebol português, evitando assim polémicas.

A abordagem ao jogo com o FC Porto: “O intuito é sempre o mesmo, ganhar para somar pontos. O que temos de fazer é tentar ganhar o jogo, sermos mais fortes que o FC Porto, lutando pelo que acreditamos, dando qualidade ao jogo. Vamos fazer tudo para sermos mais felizes que o FC Porto.”

É o terceiro encontro da época. Factor casa será determinante?: “Não acredito que isso possa fazer a diferença. O FC Porto entra em qualquer campo para ganhar. Mesmo jogando em nossa casa sabemos das dificuldades que vamos encontrar. Mas, acreditamos muito no nosso potencial. Se o jogo fosse fora de casa o nosso discurso era o mesmo. Em termos de adeptos vamos estar por cima, porque jogamos em nossa casa, mas o que faz a diferença é o que acontece dentro das quatro linhas.”

O jogo com o Famalicão como desbloqueador do ataque?: “A quantidade de oportunidades de golos tem sido permanente, muitas vezes não culminam em golo. Quando se conseguem os golos aumenta-se a capacidade e a confiança, o que nos pode catapultar e confiar que as coisas podem acontecer de forma regular, mesmo que o adversário nos ofereça um jogo mais difícil. Tivemos a sorte do jogo em Famalicão, entraram quase todas as oportunidades, muito por mérito do que os atletas fizeram.”

Vitória tem contas para acertar com o FC Porto?: “O primeiro jogo teve muita história, com menos um o Vitória criou situações para outro resultado no Dragão. O segundo jogo foi equilibrado, o Vitória merecia mais pelo que fez. Este jogo é diferente. Podemos ligar os dois jogos a este, mas será sempre diferente em função do comportamento das equipas.”

O que deve o Vitória fazer de diferente neste jogo?: “Marcar mais golos que o FC Porto, ser mais eficaz nas decisões no último terço e também cometer menos erros. No último jogo com o FC Porto sofremos dois golos algo consentidos. É isso que tem feito a diferença nos jogos com os ditos grandes. Se formos mais fortes nos pormenores estaremos mais perto de vencer.”

Pensa manter o 11 ou fazer alterações para corrigir esses erros, que têm surgido do lado esquerdo da defesa?: “Só se colocar dois laterais em campo. Quando digo que os golos foram consentidos, por vezes são infelicidades. No segundo golo do jogo com o FC Porto da Taça da Liga, o Florent tinha a bola controlada e acabou por cair no duelo com o Corona, no primeiro golo podíamos ter sido mais incisivos na acção defensiva. Estes pormenores ditam o resultado. Vamos tentar corrigir esses momentos de jogo e ser mais competentes.”

No jogo com o FC Porto no Dragão o Vitória fez boa exibição. Isso pode ser usado como factor motivacional?: “O nosso trabalho, a nossa ideia de jogo, o que acreditamos serve de motivação. Isso não oscila em função dos jogos do passado. Os jogadores que jogam no Vitória têm de estar sempre motivados e confiantes para qualquer desafio que apareça. 
Vai ser um jogo de qualidade e intensidade. O FC Porto é uma equipa intensa, temos de elevar o nosso patamar. Os jogadores do FC Porto são grandes, tem essas características, tem essa vantagem em relação a outros. Vai proporcionar-se um bom espetáculo.”

Lucas Evangelista fora das opções: “A equipa ganha muito com o comportamento de cada um dos jogadores, eles é que dizem a quem lidera se são opção para o momento. Tenho de potenciar os jogadores, aproveitar os que estão melhores. Com baixas de rendimento perdem espaço para quem está também a trabalhar para aproveitar as oportunidades. Se o Lucas ficou de fora é porque tinha jogadores que estavam a oferecer melhores condições.”

A análise ao momento do futebol português?: “Só não quero ser mais um a criticar o que todo o mundo constantemente faz. Quero olhar as coisas de outra perspectiva, quero falar das coisas boas. É fácil falar mal. Os jogadores são mais falados quando falham um golo do que quando marcam. Nós portugueses temos esse defeito, falamos muito do que é mau. Devíamos ter mais auto-estima, porque somos bons. Devíamos elevar mais o futebol português ao invés de criticar sempre.”

Este clima de pressão pode ter influência no jogo?: Não. Não faço comentários sobre isso. Não gosto de me infiltrar nesse tema. Não quero ser mais um a aumentar esse volume crítico.”

Marcações: Vitória Sport Clube, FC Porto, Ivo Vieira

Imprimir Email