Ministério da Economia promete apoiar projectos-piloto inovadores promovidos pelo Gabinete de Crise da Câmara de Guimarães

O Ministério da Economia prometeu apoiar projectos-piloto promovidos pelo Gabinete de Crise para a Transição Económica criado pela Câmara de Guimarães. A revelação foi feita por Domingos Bragança no workshop "... da Escola de Engenharia para o tecido produtivo", realizado esta quinta-feira por videoconferência. Segundo o Edil, a promessa foi feita numa reunião recente que manteve com Pedro Siza Vieira.

"Temos luz verde para avançar com cinco ou seis projectos-piloto, projectos de experienciação em que as componentes de inovação, tecnológica e do futuro têm de estar presentes", afirmou.

Revelando que os referidos projectos serão acompanhados pelo secretário de Estado da Indústria, Domingos Bragança salientou ainda que as propostas têm de ter uma "forte ligação da ciência à economia".
O workshop destinou-se a debater a interacção entre os centros de investigação e desenvolvimento da Universidade do Minho e o tecido produtivo do concelho de Guimarães. Foi mais uma acção do plano de iniciativas que o Gabinete de Crise e da Transição Económica do Município de Guimarães promoveu com objectivo de mitigar o impacto económico negativo provocado pela Covid-19.

António Cunha que lidera aquele Gabinete, não tem dúvidas de que o caminho para a reabilitação económica do concelho de Guimarães passa pela estreita colaboração entre a Universidade do Minho e as empresas.
"Neste grupo e na Câmara de Guimarães somos crentes fervorosos da relação universidade-indústria, da importância do conhecimento no alavancar de um novo contexto e competitividade económica e o conhecimento desenvolvido nas universidades e nos centros de investigação têm uma grande centralidade neste processo", salientou.
"É na conjugação do conhecimento científico e o conhecimento das empresas que já desenvolvemos e em alguns casos com grande sucesso que temos de aprender a fazer cada vez de forma mais natural e mais normal", acrescentou.

Na sessão foram apresentados os centros de investigação da Escola de Engenharia da Universidade do Minho, que actuam em diversificadas áreas, nomeadamente «Inovação & Desenvolvimento», «Biotecnologia, Saúde e Ambiente», «Inovação em produtos e processos de fabrico» e «A digitalização na economia e na sociedade».
O Presidente da Escola de Engenharia, Pedro Arezes, manifestou total disponibilidade para trabalhar com os empresários e empresas com objectivo de alavancar a economia vimaranense.
"Mais do que o prazer deste webinar, teremos é que arregaçar as mangas e tentar as ligações com as empresas, julgando que já existem ideias muito concretas, não estando exactamente a partir do nada. Existem projectos que envolvem mais do que uma empresa e do lado da escola de Engenharia tentaremos envolver as valências adequadas e apropriadas para cada uma desses projectos tentando fazê-lo de forma multidisciplinar", afirmou.

Marcações: Escola de Engenharia , Gabinete de Crise para a Transição Económica, ... da Escola de Engenharia para o tecido produtivo

Imprimir Email