Isidro Lobo pondera data para eleições do Vitória



O pedido de demissão da Direcção do Vitória, comunicado por Júlio Mendes, vai provocar eleições antecipadas no clube. Segundo o artigo 44.º dos Estatutos, “a eleição dos Corpos Gerentes realizar-se-á em Assembleia Geral exclusivamente convocada para esse efeito, com a antecedência mínima de quarenta e cinco dias”.

Ora, olhando para o calendário, se as eleições forem marcadas nos próximos dias, ainda é possível a sua realização em Julho. Se não for assim, e sendo praticamente inviável que ocorram em pleno Agosto, o mais provável é que sejam remetidas para depois das férias, em Setembro, ou o mais tardar em Outubro. A não ser que Isidro Lobo (hoje estava ausente do País em trabalho) entenda haver aqui um cenário de emergência e ainda as consiga enquadrar em Julho – nos 45 dias referidos nos Estatutos enquadram-se os períodos de apresentação de listas e a campanha eleitoral. Esse cenário nesta altura não se vislumbra, tendo em conta que a actual Direcção assegurou que fará a transição, mantendo a estratégia que havia definido para a próxima época, nomeadamente a construção do plantel. É nisso que a SAD liderada por Júlio Mendes vai continuar a trabalhar até que receba novas indicações.

As próximas semanas prometem ser intensas, até porque há duas Assembleias Gerais a caminho. A do clube em que será apresentado, discutido e votado o orçamento para a próxima temporada, e a da SAD, essa ainda mais complexa porque em causa estará a eleição de uma nova administração. Tendo em conta que no Vitória o presidente da Sociedade Anónima Desportiva é indicado pelo clube, é plausível que essa eleição fique, de algum modo, suspensa até que das eleições que vão ser marcadas por Isidro Lobo saia um novo líder.

Marcações: Júlio Mendes, eleições, Vitória Sport Clube

Imprimir Email