Executivo Municipal debateu razões da redução de população em Guimarães

O PSD questionou a maioria socialista na reunião do executivo Municipal com a redução da população no Concelho. De acordo com o Instituto Nacional de Estatístcas entre 2011 e 2019 Guimarães perdeu cerca de 5.739 habitantes, o que corresponde a uma redução de 3,6% na população do Concelho. Ainda de acordo com os mesmos dados, Guimarães perdeu mais população do que os Municípios da sua dimensão, como salientou Bruno Fernandes.
"Entendemos ser importante fazer uma reflexão para perceber as razões pelas quais estamos a perder população há 20 anos a esta parte. Esta é uma reflexão que não pode deixar de ser feita. Ou seja, saber por que razão Guimarães perde mais população do que os Municípios do Quadrilátero Urbano e por que razão perde mais um por cento do que a média nacional", salientou.

O Presidente da Câmara reconhece que existe a necessidade do PDM consagrar mais áreas para construção, nomeadamente nas franjas do Concelho mas sem perda da qualidade de vida que todos reconhecem que existe em Guimarães. Domingos Bragança revelou que a Universidade do Minho vai realizar um estudo demográfico para encontrar as causas da perda de população e simultaneamente servir de orientação estratégica. O Edil lembrou que em Guimarães o saldo natural em termos demográficos não é negativo e que num território industrial como Guimarães "as crises provocam sempre emigração" que ajudam a perceber a perda de população. Destacando que o emprego e a habitação são os factores determinantes para a fixação de população, Domingos Bragança anunciou que a próxima reunião do Conselho Consultivo será sobre o tema habitação.

Relativamente à oferta "ela existe" mas o Presidente da Câmara reconhece ser "insuficiente especialmente nas freguesias que fazem limite com concelhos vizinhos".
"Os Municípios vizinhos permitem a construção nos seus PDM nas suas freguesias e nas nossas freguesias existem dificuldades", dando como exemplo Moreira de Cónegos onde a área construtiva disponível "é de dois ou três proprietários", situação que, reconhecidamente, acontece noutras freguesias.

No final da reunião e em declarações aos jornalistas, o Vereador do Urbanismo, Fernando Seara de Sá, destacou a necessidade de suprir a carência em habitação com uma política de densificação das estruturas urbanas.
Aquele Vereador considera que "há oferta mas não tanta aquela que seria desejável. Daí, termos uma política urbanística que olha para o território de uma forma muito integrada toda ela numa óptica da densificação das estruturas urbanas que no concelho de Guimarães são dispersas", motivo pelo qual o PSD de 2015 propôs uma mudança de estratégia no sentido da tal "densificação das estruturas urbanas".


Marcações: Executivo Municipal, habitação, população

Imprimir Email